Urbs Magna

Governo brasileiro comparado a Nazismo em texto de professora

Posted in BRASIL, Fora Temer, OPINIÃO, PENSAMENTO, PROTESTOS NO BRASIL, VERGONHA DE SER BRASILEIRO by dibarbosa on 13 de junho de 2017

Reformas  de Temer subjugam nosso povo assim como os alemães humilharam os judeus na segunda guerra

UrbsMagna     

   As intenções das reformas do governo de Michel Temer,  incidentes sobre as classes básicas da população brasileira, são comparáveis  a algumas práticas nazistas da época da segunda grande guerra, de acordo com a professora Alessandra Vieira que apresenta a ideia no belo texto abaixo:

Os nazistas mantinham os judeus em fome constante. Assim, os judeus se ocupavam apenas de uma única tarefa durante o dia todo: procurar alimento, sobreviver, matar a fome imediata e urgente. Não tinham tempo e nem energia para organizar conspirações, rebeliões e planos de fuga. A vida se resumia a uma luta individualista, egoísta e solitária pela mera subsistência.

De modo análogo, a maioria dos brasileiros se ocupa apenas da sobrevivência e da dura conquista do básico: moradia, comida, escola e saúde. E mesmo os poucos que conseguem manter esse básico (especialmente a classe média) não têm tempo para se preocupar com mais nada: acordam muito cedo, trabalham mais de 8 horas, retornam exaustos, assistem o Jornal Nacional e vão dormir para reiniciar a labuta no dia seguinte. A vida se resume a uma luta individualista, egoísta e solitária pela manutenção do básico. E as TVs, os jornais e revistas reforçam e martelam diariamente essa ideologia do individualismo e do trabalho maquinal: pense apenas em você; invista apenas em você; é cada um por si; não reclame, trabalhe; não seja vagabundo, trabalhe até o fim da vida; sempre foi e sempre será assim; com esforço você conseguirá vencer; a meritocracia fará você vencer; os sindicatos não servem pra nada; a política não presta; o coletivismo é um sonho; o socialismo morreu; os empresários vão melhorar sua vida; o capitalismo selvagem e sem grilhões é o futuro. E tudo isso é mostrado ao público através de um lustro acadêmico e profissional. A propaganda é tão intensa e tão bem feita que poucos conseguem perceber a grande farsa que existe por trás dessa forma de pensar.

Diante desse cenário, a grande maioria dos brasileiros pouco se importa se o país está passando por um golpe de estado, se os direitos humanos já foram pro vinagre, se não existe mais democracia, se a constituição foi rasgada, se existe prisão política, se haverá uma ditadura militar, se os pobres da cracolância estão sendo tratados como lixo. Para quem a sobrevivência é a única preocupação, essas questões parecem supérfluas, um luxo desnecessário que só se justifica em países ricos. Tudo isso se apresenta como uma névoa de acontecimentos, um falatório confuso, um ruído de fundo na vida cinzenta e maquinal dos trabalhadores.

Querer que essa multidão de autômatos se levante para lutar pela democracia é ser totalmente irrealista, romântico e ingênuo. A grande massa de trabalhadores sem sindicatos, desorganizados e desinformados, apenas perceberão que algo mudou no país quando forem terceirizados, quando não mais tiverem direito a férias e décimo terceiro, quando a carga de trabalho aumentar e o salário diminuir, quando descobrirem que não irão mais se aposentar. A grande massa de trabalhadores não aprende pela informação (pois a única informação que possui vem de seus algozes), aprende pela prática do dia-a-dia. Quando a grande massa de trabalhadores descobrir que tudo mudou, já será tarde demais para mudar.

BOMBA! Você pode anular o impeachment que colocou o Brasil neste inferno

Isso mesmo. O golpe de Estado que arrancou Dilma Rousseff do Planalto, mulher honesta eleita com 54,5 milhões de votos do Planalto sem quaisquer crimes ou acusações, foi dado por um grupo seleto de bandidos de colarinho branco que sempre nos roubou, especialmente nas últimas décadas de crescimento comprovado, por puro prazer; por escárnio contra as classes mais pobres dos homens de bem.

Felizmente, a grande maioria dos brasileiros que apoiaram este golpe está, finalmente, abrindo os olhos e se arrependendo de ter ido às ruas em favor desta velharada ineleita, que se fez de santa com a ajuda da mídia, e que afunda o Brasil em desesperanças, tira sua credibilidade internacional e nos recheia com transtornos emocionais advindos de PECs, MPs, Privatizações e toda ordem de retrocessos incabíveis para uma nação imensa como a nossa.

Avançávamos rumo a tornarmo-nos uma superpotência, porque tudo dava muito certo. Era como se o dedo que faltava em Lula tivesse sido arrancado por Deus para sinalizar que o toque de Midas podia ser dado somente com o coração e a coragem. E justamente por tudo ter dado tão certo é que tudo começou a dar errado. Observem o histórico da balança comercial brasileira desde o ano de 1993 até hoje e tirem suas conclusões:

Balança Comercial Export Import Saldo Taxa de Cobertura
2016 169,307 126,025 43,282 134,34
2015 191,134 171,453  19,681 114,79
2014 225,101 229,060 -3,959 98,27
2013 242,178 239,617  2,561 101,07
2012 242,468 223,142 19,438 108,71
2011 256,041 226,251 29,790 113,17
2010 201,916 181,638 20,278 111,16
2009 152,252 127,637 24,615 119,29
2008 197,953 173,148 24,805 114,33
2007 160,649 120,620 40,039 133,19
2006 137,807 91,350 46,457 150,86
2005 118,309 73,545 44,764 160,87
2004 96,475 62,779 33,696 153,67
2003 73,084 48,283 24,801 151,37
2002 60,141 47,048 13,093 127,83
2001 58,223 55,581 2,642 104,75
2000 55,086 55,783 -0,697 98,75
1999 48,011 49,272 -1,261 97,44
1998 51,120 57,594 -6,474 88,76
1997 52,990 61,347 -8,357 86,38
1996 47,747 53,301 -5,554 89,58
1995 46,506 49,664 -3,158 93,64
1994 43,545 33,105 10,440 131,54
1993 38,597 25,659 12,938 150,42

Após a destituição da presidente, seus advogados impetraram um Mandato de Segurança no STF – o Guardião da Constituição de 1988 – exigindo a anulação do impeachment que é ilegal e inconstitucional justamente porque ela foi eleita pelo voto popular e governou sem a ocorrência de crime de responsabilidade – a acusação de pedalada fiscal é uma ficção/romance jurídico.

Só que o STF sob o comando de Gilmar Mendes também fez parte do golpe e o Mandato foi engavetado com o fim de evitar seu julgamento no decorrer de um processo de tomada de poder que transcorreu na marra e, assim, não sujando as mãos dos juízes nem a Constituição Federal.

Devemos, pois, pressionar os 11 juízes do tribunal a se posicionarem contra o golpe e pela anulação do impeachment de Dilma Rousseff através da organização de comitês exigindo a anulação do impeachment e mobilizações nas ruas contra o STF de modo a sensibilizá-los com os direitos da classe trabalhadora.

A VACA NO PRECIPÍCIO – Parábola

Posted in ANIMAIS, OPINIÃO, PENSAMENTO, poesia by dibarbosa on 27 de outubro de 2016

A vaca no precipício

Um sábio passeava por uma floresta com seu fiel discípulo, quando avistou ao longe um sítio de aparência pobre e resolveu fazer uma breve visita. 
Durante o percurso ele falou ao aprendiz sobre a importância das visitas e as oportunidades de aprendizado que temos, também com as pessoas que mal conhecemos. 
Chegando ao sítio constatou a pobreza do lugar. A casa era de madeira. Faltava calçamento e os moradores, um casal e três filhos, trajavam roupas rasgadas e sujas. 
Ele se aproximou do pai daquela família e lhe perguntou:
– Neste lugar não há sinais de pontos de comércio e de trabalho. Então, como o senhor e a sua família sobrevivem aqui? 
O senhor calmamente lhe respondeu:
– Meu amigo, nós temos uma vaquinha que nos dá vários litros de leite todos os dias. Uma parte desse produto nós vendemos ou trocamos na cidade vizinha por outros gêneros de alimentos e com a outra parte nós produzimos queijo, coalhada e outros produtos para nosso consumo. Assim, vamos sobrevivendo. 
O sábio agradeceu a informação, contemplou o lugar por alguns momentos, despediu-se e partiu. No meio do caminho, voltou ao seu fiel discípulo e ordenou:
– Aprendiz, pegue a vaquinha, leve-a ao precipício ali na frente e a empurre, jogando-a lá embaixo. 
O jovem arregalou os olhos espantando e questionou o mestre sobre o fato de a vaquinha ser o único meio de sobrevivência daquela família. Mas, como percebeu o silêncio absoluto do seu mestre, foi cumprir a ordem. Assim, empurrou a vaquinha morro abaixo e a viu morrer. 
Aquela cena ficou marcada na memória daquele jovem durante alguns anos e um belo dia ele resolveu largar tudo o que havia aprendido e voltar naquele mesmo lugar e contar tudo àquela família, pedir perdão e ajudá-los. 
Assim fez e quando se aproximava do local avistou um sítio muito bonito, com árvores floridas, todo murado, com carro na garagem e algumas crianças brincando no jardim. Ficou triste e desesperado imaginando que aquela pobre família tivera que vender o sítio para sobreviver. 
Chegando ao local, foi recebido por um caseiro muito simpático e perguntou sobre a família que ali morava havia uns quatro anos, ao que o caseiro respondeu:
– Continuam morando aqui. 
Espantado, ao encontrar os familiares, viu que se tratava das mesmas pessoas que visitara com o mestre. Elogiou o local e perguntou ao dono:
– Como o senhor melhorou este sítio e está tão bem de vida? 
E o senhor, entusiasmado, respondeu-lhe:
– Nós tínhamos uma vaquinha que caiu no precipício e morreu. Daquele dia em diante tivemos que fazer outras coisas e desenvolver habilidades que nem sabíamos que tínhamos. Assim, alcançamos o sucesso que seus olhos vislumbram agora.

Magnetismo pessoal – Como desenvolver e ter sucesso

Posted in FILOSOFIA, OPINIÃO, PENSAMENTO by dibarbosa on 5 de janeiro de 2016

Você tem poder de hipnotizar quem você quiser.charisma41-crop-600x338

Claro que não assim ao pé da letra, mas um dom natural para convercer as pessoas através de um magnetismo pessoal e, assim, atrair muita coisa. O que quero dizer é que, naturalmente, você tem, em seu interior, um dom transformador que pode te dar o sucesso desejado por meio de potenciais que estão adormecidos. Você tem o caminho para elaborar qualquer coisa em verdade e transformá-la em em certeza dentro de si garantindo, com isso, a confiança de outras pessoas. Mas como? Basta você aceitar e assumir que possui um elevado sentimento que é o verdadeiro potencial de sua: a autoconfiança. Então, seu magnetismo pessoal se encarregará de temperar aquilo que já era visível e óbvio aos olhos dos outros com as qualidades mais nobres e edificantes que são o amor e a amizade.
Seu magnetismo pessoal é a expressão real do seu eu interior e tem que estar carregado de um amor genuíno. Todas as pessoas têm este dom, independente de religião ou classe social, e para elaborá-lo e fazê-lo funcionar em seu favor você deve tomar uma importante decisão em sua vida: executar firmemente tudo aquilo que você planejou utilizando-ses de toda a sua força de vontade e fé, porém sem jamais esquecer que o amor é o principal elemento que tonificará potencialmente todo este movimento. Amor por seu objetivo. Personalidade para conquistá-lo. E em suas conquistas, todas as pessoas que foram envolvidas por você passarão a contribuir para a concretização de seus objetivos pois o pensamento centrado em seu sucesso o direcionará para a realização.

Então vamos lá! Para melhor entender, a prática torna-se oportunamente necessária. Siga estes passos enumerados mais abaixo: 

magnetismo1 – Pensar fortemente em seu objetivo e ousar, confiante, naquilo que é capaz de fazer desenvolvendo o poder do magnetismo sem se deixar abater pela humildade de aceitar sugestões.  

2 – Atrair somente aquilo que você deseja de verdade e cultivar o caráter. Ao externar seu pensamento, fazê-lo prontamente de forma inteligível. Decididamente, esse comportamento não deixará dúvida alguma sobre sua sinceridade.

3 – Ser equilibrado e não vacilar. Ter poder e magnetismo pessoal requer vontade, força e amor verdadeiro concentrado naquilo que se está praticando, pois a vivacidade é a pedra fundamental da confiança. 

4 – Magnetismo não está no destino de todos. Uns o trazem quando nascem, outros o desenvolvem na juventude ou depois – por desconhecimento ou falta dos exercícios requeridos para colocá-lo em prática: fé, confiança, amor e prazer de desejar a felicidade do próximo.

Com esses sentimentos, seus objetivos e seus sonhos são realizados na sua totalidade.

Tagged with: ,

FELIZ ANO NOVO DIFERENTE

Posted in OPINIÃO, PENSAMENTO by dibarbosa on 31 de dezembro de 2015

Happy-New-Year-Images-2016-advance#felizanonovodiferente
Tenho lido (e, mesmo, escutado por aí) uma série de ponderações críticas sobre o término do ano. Nelas, seus autores se indignam com a velocidade do transcurso de 2015. Aliás, com o de anos anteriores também. E quando vêem já estão em fins de dezembro com seus anuários prontos, se perguntando onde estavam durante os meses anteriores e dizendo pasmos “foi tão rápido”.
O que tenho a dizer sobre isso é: o amor, a empatia, o perdão, a benevolência, estes e outros irrepreensíveis sentimentos são os que nos tornam, verdadeira e exemplarmente, parte de uma raça que, contraditoriamente, já não os utiliza rotineiramente há tempos. E essa particular percepção tem me trazido saudosas recordações de tempos idos de, digamos, uma felicidade social que provavelmente muitos dos mais jovens jamais saberão. Seus atropelos ao longo do ano, dados nestas citadas verdades cristãs, é que, de fato, provocam o distanciamento das sensações mais nobres da alma. E quando nos damos conta o Natal já passou e 2016 já irrompeu em nossas consciências acarretando um estado de alerta incomum e, por vezes, insuportável.
Expectativas à parte, tenho outra coisa a dizer sobre isso: experimentemos, pois, o envolvimento mais direto com a humanidade da qual fazemos parte – ela não está ao nosso alcance somente por meio dos buscadores e diretórios dos nossos smartphones. Mas se o conceito for pretencioso demais, comecemos pela humanidade mais próxima de nós: colegas de trabalho, “amigos” do facebook, nossos próprios familiares que carecem do nosso olhar, conhecidos e (mesmo) aqueles que vimos “de vista”. Urge, então, para toda a nossa raça globalizada e eletronizada, uma verdadeira homogeneização do pensamento comum; social; coletivo. Onde transformar-mo-nos em uma consciência menos divergente poderá nos libertar de um individualismo potencialmente pernicioso ao bem-estar comum – à exemplo da recente ressurreição do fascismo como tema compartilhado inescrupulosamente nas redes e que teve sua viabilização associada atrelada ao cenário da crise política. Assim sendo, essa fuga desse tanto de individualismo que o quanto de capital nos força, poderá ser o meio pelo qual, quem sabe, modificaremos a percepção temporal de nossas vidas. Os dias, os meses e os anos despercebidos – que em suas sessões específicas não tiveram lá suas significâncias por motivo da falta de quórum de elementos importantes e benéficos à alma – poderão se expandir em nossa percepção e causar uma transformadora mudança em nossas vidas em que teremos até saudades de um Natal bom e de um fim de ano inesquecível que serão aguardados com mais expectativa no ano seguinte.

B O A S F E S T A S E…
B O A S M U D A N Ç A S

#boasfestaseboasmudancas

Uma armadilha democrática

Posted in BRASIL, ECONOMIA, OPINIÃO, POLÍTICA by dibarbosa on 8 de novembro de 2015

Especialistas internacionais tentam desvendar motivos da crise política brasileira.

08/11/2015 19:00 GMT


bandeiraAlgo que me envergonha muito é saber que temos cidadãos capazes, com integridade moral e dotados de suficiência intelectual para estarem à frente das principais decisões que tanto o Brasil necessita e, de forma quase covarde, são desarticulados e impedidos de formarem opinião social, no entanto sem perceber, pelo sistema atual que vigora através das mãos de políticos e mídia que tudo fazem para perpetuar seus domínios sobre a economia de toda a nação com fins claros de se beneficiarem financeiramente no maior espaço de tempo que conseguirem.
Pensamentos obscuros se tornam claros com esta notícia que me indigna: Juristas de Portugal, Alemanha e Brasil discutem a nossa crise atual, nos campos político e econômico, no 18° Congresso Internacional de Direito Constitucional do Instituto Brasiliense de Direito Público, onde abordam questões do sistema de governo e combate à corrupção, bem como vários outros temas. Do lado de cá participam representantes do STF e tucanos, dentre eles José Serra, que buscarão meios para a retomada de uma rota mais promissora para o país. Um dos juristas afirmou à imprensa que “a prova de que chegamos ao fundo do poço é o estado de não governabilidade que nos encontramos”.
Tenho a impressão que algo (novamente) está sendo armado para interceder e atrapalhar essa dita governabilidade e, se realmente há tal articulação, isso muito me preocupa porque dá evidências de que a irresponsabilidade de alguns é que pode nos conduzir para uma verdadeira tragédia econômica que será ainda mais vergonhosa perante o mundo. Justo nós que somos um país com fôlego e boa saúde mas com anti governantes que sabotam tudo o tempo todo de olho nas riquezas infinitas.
Boa parte de nosso povo tem pleno conhecimento dos fatos ocorridos a partir da derrota de Aécio Neves. Não se trabalha mais noutra coisa senão na tentativa de cavar uma armadilha democrática contra a dita governabilidade.
cropped-logo-novo-urbsmagna100.pngCURTIR NO FACEBOOK
Clique na Imagem abaixo

E agora, Taís, como lidar com o racismo?

Posted in BRASIL, DIREITOS HUMANOS, FACEBOOK, FILOSOFIA, OPINIÃO, TV by dibarbosa on 2 de novembro de 2015

tais2Apesar de ser crime, o racismo segue público e impune.

Desta vez, Taís Araújo é a vítima do racismo nas redes sociais. Antes dela, Maria Júlia Coutinho, mais conhecida como Majú, a apresentadora do tempo  no Jornal Nacional, sofreu com isso.

02/11/2015 – 21h15facebook-redondotwitter-redondogoogle+

Esta bela senhora é a esposa de Lázaro Ramos. Se chama Taís Bianca Gama de Araújo Ramos, é atriz, modelo e apresentadora de TV. Ficou conhecida do público em 1996 na novela Xica da Silva, na Rede Manchete. De lá para cá, seu talento e beleza garantiram lugar na cultura nacional. Mas, a exemplo do que ocorre atualmente na política do Brasil, as pessoas andam atacando as outras sem motivo aparente. Simplesmente porque não vai com a cara; sabe-se lá o real motivo; apenas por maldade? Ou porque nessa bagunça brasileira que aí está agora vale tudo?

Pois o perfil social no Facebook desta linda e talentosa mulher foi atacado e vandalizado com ofensas discriminatórias raciais pesadíssimas (vide imagem). Vandalizar, segundo um dicionário online, significa ato ou efeito de produzir estrago ou destruição de monumentos ou quaisquer bens públicos ou particulares, de atacar coisas belas ou valiosas, com o propósito de arruiná-las. Isso! Mas para quê? E o pior ainda é que tem
muita gente curtiu os comentários de quem os postou. Isso significa que a coisa é pior ainda do que se imagina.
Significa que o racismo, mesmo sendo crime, está presente em nossa sociedade e, ainda que de uma forma minoritária, pode deixar prejuízos morais  descabidos. Isso me deixou pensativo sobre uma questão: FACEBOOK TAISpodemos ter uma ou mais pessoas racistas em nossas redes de amigos sem saber. A exemplo do que aconteceu com Taís, quando foi possível visualizá-los como os autores das mensagens ou na lista de quem deu os likes, podemos também observar o que nossos amigos andam curtindo ou postando. Eu ficaria muito decepcionado em saber que tenho um amigo assim. Seria mesmo capaz de excluí-lo na hora. Mas isso é outra história.
Na verdade tenho uma dúvida bem grande: por que as autoridades, e nem mesmo o próprio Facebook, não penaliza estas pessoas? O quê é preciso acontecer para que a lei seja lembrada?

LOGO NOVO URBSMAGNA100

 CURTIR PÁGINA NO FACEBOOK

Tagged with: , ,

Estudo revela que formigas são como nós: nem todas gostam de trabalhar

Posted in AMBIENTALISMO, ANIMAIS, CIÊNCIA, OPINIÃO by dibarbosa on 9 de outubro de 2015

A revista “Behavioral Ecology and Sociobiology” de setembro publicou um estudo revelador: biólogos pesquisadores descobriram que, em um formigueiro, nem toda formiga trabalha. Há as que ficam ociosas e não fazem nada ou quase nada.

formicidaeO velho conceito que atribui o perfil de uma formiga a uma pessoa trabalhadora acaba de cair por terra. Biólogos da Universidade do Arizona constataram que nos formigueiros estudados cerca de metade dos indivíduos se mantém inativos. 

Os cientistas foram à uma área de Tucson, Arizona, e coletaram 5 colônias da formiga Temnothorax Rugatulus e as transladaram para um habitat artificial onde os insetos podiam ser observados sob uma placa de vidro. Cada formiga deveria ser identificada e para isso receberam pinturas personalizadas, após o que tiveram início os trabalhos de filmagens periódicas por três semanas seguidas.

Mas o trabalho árduo só começou durante a análise da rotina das colônias quando eram anotadas todas as atividades realizadas, desde a manutenção do ninho até os cuidados com as larvas saídas dos ovos. Observaram-se também rotinas como abastecimento, higiene e trolfalaxia (consiste em regurgitar parte da comida ingerida em uma espécie de segundo estômago que serve de despensa para as formigas muito ocupadas que não têm tempo para se alimentar).

Registraram-se todas as atividades das famílias Formicidae: de 225 insetos foram descobertas quatro grandes categorias: 34 puericultoras, 26 operárias externas, 62 generalistas (serviços gerais). E por fim, surpreendendo todo o reino humano, 103 formigas não faziam porra nenhuma enquanto assistiam as outras que não paravam de trabalhar sem que fossem substituídas.

Apesar de os entomologistas reconhecerem que as três semanas de observação talvez não tenham sido suficientes para identificar aquela função inercial misteriosa associada à vadiagem, eles arriscaram defender as preguiçosas sugerindo que pode se tratar de uma espécie de exército de reservistas à espera de uma convocação em caso de necessidade sem, contudo, desassociar tal inércia ao fato de que quem está ocioso tem menos interações com quem está trabalhando. Desta forma, elas poderiam simplesmente não estar cientes de que há trabalho à espera, ou, ainda  tentariam evitá-lo.

Em artigo subsequente de outubro no “Journal of Bioeconomics” o mesmo grupo de cientistas sugere que uma fração da população opta pela inatividade como consequência natural de uma organização de trabalho complexo. Portanto, tal ociosidade poderia ser uma atividade como outra qualquer, fato que derruba o mitológico conceito de formiga trabalhadora e outros insetos sociais como abelhas e cupins.

E nós, que desde o Homo Sapiens temos assimilado tais conceitos e os aperfeiçoado até os dias atuais introduzindo ideias como divisão do trabalho e especialização na indústria, na informática, na robótica e na logística, finalmente nos vemos livres da fábula  da Cigarra e da Formiga, pois as duas são iguaizinhas e não se pode mais compará-las, a não ser com um povinho preguiçoso que existe em todo lugar e que todos conhecemos. Será que os insetos estão aprendendo com a humanidade?

Dilma de mãos atadas frente a um congresso hostil

Posted in BRASIL, ECONOMIA, OPINIÃO by dibarbosa on 8 de outubro de 2015

maxresdefaultNo encontro do FMI em Lima – Peru em início de outubro de 2015, Augusto de la Torre, o economista chileno que representa a América Latina e o Caribe no Banco Mundial, disse que a recessão pela qual o Brasil atravessa é um mistério.

Segundo ele,os índices da macroeconomia brasileira não são motivos para uma recessão deste porte. Joaquim Levy (atual ministro da Fazenda) tem sustentado a moeda (real) com uma desvalorização correta, só que a demanda interna não se relança e a causa disso é a fragilidade institucional de Dilma Rousseff que está de mãos amarradas diante da hostilidade de seu Congresso”.

La Torre afirma, contudo, que o Brasil se reerguerá dentro de alguns meses pois a economia está buscando, e acabará por encontrar, o caminho para se reajustar: “…o país  é uma economia gigantesca e possui uma grande capacidade de reação. Quando a economia de outros países vai bem eles são parecidos uns com os outros, mas quando é o contrário as diferenças estruturais vem à tona havendo a possibilidade de alguns perderem o compasso, caso eles que não realizem reformas necessárias. As democracias latino-americanas precisam encontrar o equilíbrio entre produtividade e desigualdade, o que não é nada fácil”.

Dentre os problemas mais visíveis para o economista está a desigualdade criada para aqueles que não têm voz ativa, no caso os desempregados que não estão organizados. Para isso, La Torre propõe maior flexibilidade para o salário mínimo que poderia ser diferenciado de acordo com o porte da empresa ou de acordo com a idade do trabalhador de forma que os mais jovens recebessem menos ou que trabalhassem mais pela mesma remuneração, pois segundo ele o salário mínimo que convém em tempos de bonança não é o mesmo que nos convém na crise, mas falar em diminuir o salário mínimo, porém, é um tabu social em qualquer lugar do mundo; um tema delicado, relacionado a questões filosóficas e ideológicas”

Adentrando, porém, na delicadeza deste âmbito, o economista explica que “um trabalhador qualificado não se preocupa com o salário mínimo. Quem se preocupa é a empresa obrigada a contratar tanto os mais qualificados quanto os não-qualificados. E, se o salário mínimo é muito alto, ela simplesmente deixa de contratar. Nesse caso, perde-se o controle por questões políticas e, em tempos de retração econômica, esse salário mínimo se torna um inimigo do emprego”.

Salve os Doutores Cosme & Damião

Posted in BRASIL, OPINIÃO, RELIGIÃO by dibarbosa on 24 de setembro de 2015

atualização em 26set16 23:29GMT

Discriminados pela ignorância crescente do povo do Brasil, os dois santos que alegravam as crianças de Norte a Sul vão sendo esquecidos e apagados da memória da cultura nacional.

Cosmas_and_DamianAinda me impressiona a quantidade de barreiras que o ser humano é capaz de inventar para a vida…a quantidade de preconceitos que cria para um mundo que já não tem mais espaço para isso. Um mundo que já respira por aparelhos, mas que ainda luta contra a intolerância.

A polêmica da semana é o dia de São Cosme e São Damião. Para mim, particularmente, é uma semana que já cheira a alegria e felicidade. Tristeza foi crescer e não poder mais estar de porta em porta buscando doces, estar com os amigos correndo. Hoje estou do outro lado dos muros, ensacando e distribuindo minha gratidão em forma de doces.

A cultura de São Cosme e São Damião se originou da caridade, da bondade de dois jovens meninos, prodígios, médicos e cristãos, sim, religiosos, que dedicaram suas vidas a curar os mais pobres. Os doces eram sua marca, foi a forma que eles encontraram de acalmar as crianças que precisavam ser medicadas…Muitos pediatras ainda fazem isso..

Sendo eles um exemplo a ser seguido, em sua homenagem e lembrança, lembrança de amor, foi criado o hábito da distribuição de doces. Por isso, com o livre arbítrio dado por Deus mais a liberdade garantida constitucionalmente pelo Estado, ninguém é obrigado a gostar ou mesmo aceitar os doces, mas também não é necessário viver na ignorância e propagando discurso de ódio.

Eu e meus amigos sempre pegamos doces e nenhum de nós morreu envenenado ou enfeitiçado pelos demônios que são pintados com base em um fundamentalismo pavoroso. O único demônio que existe na história de São Cosme e São Damião é a intolerância somada a ignorância e muitas vezes a esperteza de quem lucra com esse preconceito.

Nos lembremos que a língua é o chicote do homem, então antes de falar, de levantar bandeira, fuja da ignorância que cega aos olhos e a mente. São Cosme e São Damião são inspiração de caridade, igualdade, carinho e fé. Não manchemos a sua história.

Fonte: facebook

 

Arrastões cariocas. De quem é a culpa?

Posted in BRASIL, FACEBOOK, OPINIÃO by dibarbosa on 22 de setembro de 2015

Uma opinião de um usuário do facebook sobre os arrastões nas praias do Rio de Janeiro chama atenção e viraliza.

Leia abaixo

arrastão

Não gosto de postar texto meu no perfil pessoal, mas preciso dar minha singela opinião no debate dos arrastões:

Glerickson tem 14 anos. É um menino inteligente, estudioso, respeitoso com seus pais e observador atento ao que se passa, principalmente no Rio de Janeiro, onde mora. É pobre e negro. Seus pais são dona Darcy, doméstica, e Lauro, motorista de ônibus; ambos cidadãos trabalhadores e moradores de uma comunidade distante da zona sul do Rio de Janeiro. Deram o máximo para o filho, que sempre esteve na escola e contou com o amor de seus pais dentro de casa.

Nestes últimos tempos, Glerickson tem estado em dúvida sobre si mesmo e sobre nossa cidade. Ao ler as notícias na internet, começou a perceber como funciona o Brasil, e em específico o Rio. No caso dos arrastões na Zona Sul, ele reconheceu um dos menores por uma foto, pois tinha estudado com ele. O menor em questão tem o apelido de Lulinha. Ele também é pobre, negro e filho de dois trabalhadores corretos. Lulinha, ao contrário de Glerickson, nunca gostou de estudar, nunca respeitou o próximo, sempre foi um adepto assumido da malandragem carioca, e, com seus 15 anos, já passou em todas delegacias possíveis, acusado e condenado por toda sorte de crimes.

Glerickson entrou no Facebook de Lulinha e viu que o mesmo ‘ostentava’, em fotos, os produtos que acabara de roubar na zona sul. Cordão, celular, pulseira e relógios. Embaixo das fotos, comentários de apoio dos amigos e risadas cúmplices de outros parceiros do crime. Glerickson sentia um pouco de inveja daquela fama passageira do amigo. Resolveu ir mais fundo e ver outras redes sociais.

No Facebook do maior jornal carioca, ele descobriu que o amigo era tratado como vítima. Vítima da polícia militar e vítima da sociedade como um todo. Chegou, inclusive, a descobrir que ele, por ser negro e pobre, tinha uma espécie de salvo conduto para o que quisesse diante da imprensa. Era negro e pobre? Ok. Tal qual um 007, você tem licença para matar. A culpa sempre será da sociedade. E Glerickson achou tal pensamento, além de totalmente errado, muito racista. Por que a mídia tinha o direito de generalizar o comportamento de seres humanos baseado unicamente na cor de suas peles? Glerickson, com uma reflexão básica, pensou no branquelo Hitler e se revoltou mais ainda com o vitimismo com que Lulinha e seus parceiros eram mencionados nas matérias.

Glerickson sabia, pois era observador, que o pobre é quem mais sofre com a violência desenfreada nas grandes cidades. Os intelectuais de plantão, os chamados ‘especialistas’, falam demais e vivem de menos o problema. Glerickson lembrou de quantas vezes seus pais, honestos, pobres e trabalhadores, não saíram de casa depois de tal hora da noite, quantas vezes eles não foram assaltados, quantas vezes eles perderam o salário do mês inteiro para um cara que não tinha coragem de tirar uma carteira de trabalho. Aonde estavam os direitos dos cidadãos, independentemente de cor e classe social, da cidade onde morava? Será que não valia a pena ser honesto, perguntava-se.
E a investigação particular de Glerickson acabou na rede social de um famoso deputado carioca, Marcelo Freixo, para ler qual era a opinião do parlamentar sobre o assunto. Achou uma postagem recente, do dia 26 de agosto de 2015, onde lia-se ‘Apartheid carioca’, em referência ao acontecido na África do Sul, onde uma minoria branca decidia o destino da maioria negra daquele país. Mais uma vez, o menino percebeu que era, como negro e pobre, vitimizado por mais uma pessoa, desta vez um político. Político branco. Rico. Morador da Zona Sul. E sentiu raiva. Raiva do parlamentar, por desacreditar todos os negros como se bandido fossem, raiva por achar que pobreza financeira é sinônimo de vontade de assaltar. Raiva por ver um sujeito informado como Freixo fingir que não entendia que 99% da população pobre do Rio de Janeiro é quem sofria nas mãos de ‘meninos’ como Lulinha e cia. Os ricos ainda podiam blindar seus carros, podiam ficar, como seus próprios pais, reféns dentro de um condomínio com grades, podiam viajar pro exterior para espairecer, podiam desabafar nas redes sociais e, inclusive, podiam virar políticos para se eleger como paladinos da ‘justiça social’. Quem defendia os verdadeiros interesses das pessoas que mais sofrem? Ele não conseguia encontrar. E percebeu que havia uma verdadeira indústria da miséria, de políticos a especialistas que, como urubus, sobrevivem do caos. Precisam de carniça diariamente.

Por fim, Glerickson ainda tentou recorrer à autoridade máxima do poder Executivo, e visitou o perfil de Dilma Rousseff, presidente de seu país. Dilma era uma defensora incansável da manutenção da maioridade penal aos 18 anos. Dilma era companheira de muitos companheiros de partido presos nos últimos anos, por roubos muito piores que os praticados por Lulinha nas praias do Rio de Janeiro. E Glerickson novamente percebeu que a situação era complicada, porque se a presidente da República tinha amigos mais ‘barra pesada’ que ele próprio, como poderia, então, ter alguma medida que fosse contra toda a violência que prejudicava seus pais, sua vida e seu país?

E de clique em clique, de página em página, Glerickson descobriu que estivera no caminho errado. Estudar, trabalhar e perseverar no difícil caminho da honestidade era para os trouxas. ‘Malandro é malandro e mané, pode crer que é’, como dizia a letra de uma novela. Glerickson tinha, agora, raiva de si e dos pais. Por que não o educaram para ser esperto, com sotaque bem carioca? Por que não o ensinaram que eles, por serem negros e pobres, estavam condenados por uma sociedade doente e por uma mídia esquizofrênica ao mundo do crime? Glerickson tinha entendido que Lulinha era o verdadeiro gênio: roubava, postava no ‘Face’ e ria. E no entanto o marginal era o policial militar, também negro, que tentara prender os menores. Assim disse a defensora pública Eufrasia das Virgens, e foi além: os detidos numa operação recente pela PM poderiam buscar indenizações do Estado. É ou não é genial? Glerickson tinha a certeza em cada célula de seu corpo que hoje, 2ª feira, sua vida teria novos rumos: seu sonho era se tornar uma vítima da sociedade opressora capitalista. E estava ansioso pelo próximo fim de semana ensolarado no Rio de Janeiro.

A Política brasileira refletida na música de Cazuza e Renato Russo

Posted in ARTE, BRASIL, FILOSOFIA, MÚSICA, OPINIÃO, PENSAMENTO, poesia by dibarbosa on 7 de setembro de 2015

Que País é Esse? Brasil.
montagemcazuzarenato

Até hoje vigora a discussão sobre aquele que teria sido o mais proeminente e representativo poeta da década perdida, os anos oitenta.
A questão ainda é tema de debate em blogs, comunidades virtuais, e vira e mexe a gente se depara com um reply desses no twitter: Cazuza ou Renato Russo?
Fácil, fácil a resposta: nenhum deles somente, ou seja, os dois juntos.
Os dois representam a completude de um período conturbado de reconstrução democrática do Brasil: dúbio como teria que ser, antagônico a si próprio e contraditório pra todo sempre.
Enquanto um questionava: Que país é esse? O outro dava a resposta: Brasil.
Um se achava bonito, era sedutor, de autoestima invejável, expansivo e de poesia direta: “Raspas e restos me interessam”.
O outro se achava feio, era introspectivo, complexado, preferia curtir os dias de chuva e assim se definia numa de suas canções mais líricas: “Acho que não sei quem sou, só sei do que não gosto”.
Cazuza diz ter ficado louco quando Renato Russo surgiu no cenário da música brasileira: “O que é isso?! Que loucura! Esse cara está dizendo algo que eu quero dizer. Quero falar da minha geração”. Diz ter feito “Brasil” com certa “inveja cultural” de “Que país é esse?”.
Na tentativa de conciliar os talentos, um dia Renato Russo e Cazuza se propuseram uma parceria.
Não deu certo.
Cazuza havia mandado a Renato uma letra chamada “A orelha de Eurídice”.
Renato foi categórico: “O que é isso Cazuza? Uma letra que fala sobre orelha? Jamais vou fazer uma música sobre isso”.
Cazuza, na gíria carioca, teria respondido “Qualé Renato? Eu adoro uma orelha, vamos tentar!”
A parceira inconciliável terminou por aí. Mas a admiração mútua nunca teria acabado.
Perto do fim do calvário público do colega de geração, Renato Russo compôs “Feedback Song for a Dying Friend” (Canção retorno para um amigo à morte) uma canção de despedida em inglês. Além disso, fez uma bela inserção de “Faz Parte do Meu Show” em uma apresentação da Legião no Estádio das Laranjeiras, um dia após falecer o compositor de “O Tempo não Para”.
Pra tentar resumir o placar do jogo, costumo dizer que Cazuza deixou canções livres, sem se ater a um estilo musical predileto. Não era apenas um cantor de rock. Cultivava uma linha mais direta na poesia, era meio bossa nova, meio rock´n roll, mas nem por isso se tornara tão ou mais cativo quanto o rival de Brasília.
Renato Russo, paradoxalmente sendo “mais difícil”, vendeu mais, e conseguiu criar literalmente uma religião em torno de sua banda, idéia que abominava. Renato não deixou apenas canções, mas uma espécie de código quase bíblico a ser decifrado na leitura ininterrupta dos discos da Legião, do primeiro, Legião Urbana (1985) ao último “A Tempestade ou Livro dos Dias” (1996).
Há quem diga que até a seqüência do disco póstumo da banda, “Uma Outra Estação” (1997), Renato deixara alinhavada para os remanescentes da Legião apenas cuidarem de detalhes de produção.
Ambos, Cazuza e Renato Russo, morreram de complicações decorrentes da AIDS. Um aos 32, outro aos 36. Como se seguindo a sina do sonho de democracia que tanto questionaram: morreram cedo demais.
Nos seus últimos dias, um optou por mostrar a cara, assim mesmo como dizia a letra de sua música. O outro, não negou sua natureza, mergulhou no seu próprio mundo e preferiu deixar o recado nas entrelinhas do seu último disco em vida: “Hoje a tristeza não é passageira, hoje fiquei com febre a tarde inteira”. Nesse ponto nenhum deles foi incoerente, todos foram verdadeiros.
A vida de Cazuza já virou filme, de grande sucesso, com algumas passagens obscuras, com referências vetadas pelos pais do poeta, a exemplo do relacionamento de Cazuza com Ney Matogrosso, que ao gravar “Pro Dia Nascer Feliz” teria sido fundamental para o estouro do então desconhecido Barão Vermelho.
Já a trajetória de Renato Russo promete invadir as telas do cinema em 2010, com o longa “Somos tão Jovens”, que pretende retratar o percurso do “Trovador Solitário” pela jovem Brasília da década de 70 até o estrelato daquela que ainda hoje é considerada a maior banda de rock da história do país, a Legião Urbana.
Quase duas décadas depois de encerrado o ciclo da geração coca-cola, hoje se percebe mais claramente que não há de fato “o porta-voz” de uma geração, isso porque aquela geração nunca teve uma voz bem definida.
Era tudo o que poetas como Renato Russo e Cazuza, burgueses sem religião assumidos, em contraponto ao adorno exagerado da Tropicália, tinham a dizer sobre si mesmos, mais como o reflexo de uma coletividade sem alma, que propriamente com a pretensão de retratar um país tido como tropical. E talvez por isso mesmo acabaram dizendo mais.
Nas palavras de Renato Russo “Monstros de nossa própria criação”. Nas palavras de Cazuza “Uma geração sem ideologia”.

Samuel Carvalho Marinho é contador e servidor público federal.
Colabora com crítica musical no blogue do ed wilson
Tagged with: , , ,

Bissexualidade de Brad Pit cai na rede

Posted in CINEMA, MUNDO, OPINIÃO by dibarbosa on 25 de maio de 2015

Brad PitEnglishHoje, o tema mais twittado no Brasil e no Mundo é a bissexualidade de Brad Pitt.

É disso que o povo gosta: um escândalo associado a uma personalidade artística. William Bradley Pitt (51), mais conhecido como Brad Pitt, o famoso ator, produtor cinematográfico e empresário americano, dono da produtora de filmes Plan B Entertainment, costuma contratar homens para sua alegria, de acordo com um tablóide americano. Tudo com a permissão da também bissexual Angelina Jolie (40), com quem divide a cena desde 2005.  Está escrito também que Pitt até já contratou o ator pornô Cameron Fox. A vida dupla do casal tem consentimento de ambos há mais de dez anos.

A comunidade gay mundial está uma polvorosa, ahahahaha.

CAPA DA STAR MAGAZINE:
Star_Magazine_2015

Tagged with: ,

Brasil tem crise passageira

Posted in BRASIL, OPINIÃO, POLÍTICA by dibarbosa on 17 de maio de 2015

imageEspanainglêsalemãofrancêsFrancisco Maria Cavalcanti de Oliveira, mais conhecido como Chico de Oliveira, um dos principais sociólogos do país, crê no fôlego do Brasil e afirma que a economia voltará a crescer.

Em entrevista à Folha de São Paulo, Chico afirma que o brasileiro tem pressa para as mudanças e que a oposição do PT não fará mais panelaços. A classe média é autoritária mas tratará o povo com mais igualdade, segundo ele. Crítico do governo, Oliveira diz que Dilma é mediocre e que Lula ainda tem o controle mas nem por isso os tucanos conseguirão desestabilizar o Brasil. “O povo brasileiro tem uma diversidade cultural muito grande e não digere bem uma política extremada de direita”.

Tagged with:

Por trás do “confronto” dos professores

Posted in BRASIL, CURITIBA, OPINIÃO, POLÍTICA by dibarbosa on 1 de maio de 2015

Em fevereiro, o Governo do Estado encaminhou à Assembléia um pacote de medidas para reestabilizar sua economia em função da retração nacional e da insuficiência de investimentos por parte do Governo Federal durante o primeiro governo de Dilma Rousseff, segundo representantes, o que também promoveu uma revisão do sistema previdenciário que absorverá mais de 30 mil inativos em 5 anos. Assim, a APP Sindicato mobilizou uma greve durante a qual o plenário foi invadido, depredado e deputados contrários aos interesses da categoraia foram impedidos de trabalhar. Finda a primeira greve que durou 29 dias, e após dois meses de discussões, o governo apresentou uma proposta à APP mas esta se desviou de sua própria legitimidade dando demonstrações que seus objetivos são políticos. Com isso, a segunda greve foi declarada ilegal pelo TJ-PR que ordenou a volta às aulas sob pena de multa de 20 a 40 mil diários mas o comando do sindicato dos professores e a APP ignoraram a decisão do Judiciário.
Em face aos acontecimentos passados e às dificuldades de entendimento, a Alep solicitou antecipadamente a interdição da Assembleia com reforço policial, desde 25/04, prevendo que a APP organizaria novo cerco e invasão (iniciado em 27/04) para inviabilizar a votação do projeto de lei em 29 de abril. Antes do “confronto”, professores e aliados bloquearam ruas de acesso à Alep e revistaram carros numa tentativa de impedir que deputados tivessem acesso à Assembléia. Algumas mídias noticiaram que os professores foram massacrados covardemente no Centro Cívico em Curitiba – PR,resultando em imagens comoventes. Mas em uma análise mais objetiva das imagens de quarta-feira, vemos que a categoria e aliados partiram para confronto com a PM usando máscaras de gás lacrimogênio, coquetéis molotov, bombas caseiras, paus e pedras, e que a PM apenas se defendeu sendo obrigada a cumprir uma deliberação judicial tomando medidas para a contenção da desordem iniciada. Imaginem este cenário sem a imagem da segurança pública. Avaliem dois tempos nas fotografias.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fonte: Reinaldo Azevedo. Leia o texto na Íntegra.

Tagged with: , , , , ,

5 formas de ficar rico da noite para o dia

Posted in ECONOMIA, MUNDO, OPINIÃO, PENSAMENTO by dibarbosa on 17 de abril de 2015

Atualizado em 28mai16

Uma ideia ao acaso pode valer uma fortuna e os casos a seguir demonstram isso.

Quem não sonha em ficar milionário da noite para o dia, ou até mesmo através do suor de seu trabalho? Acho que todos, né? Mas encontrar uma ideia para alavancar a conta bancária não é nada fácil. Que tipo de negócio ainda não foi inventado ou não tem muitos concorrentes? Difícil pensar sobre isso. Mas veja algumas ideias que deram certo surpreendendo seus promissores pensadores:

Ashley madsonAshley Madison, a rede social dos infiéis, é um serviço de encontros extraconjugais via web que exige que todos os seus usuários tenham um parceiro ou desejem ter um encontro com alguém que o tem. Curiosamente, o criador desta empresa bilionária é um ex-advogado bem casado. A empresa agora quer entrar na Bolsa de Valores graças a uma receita invejável de US$ 115 milhões no ano passado. A AM vale algo em torno de US$ 1 bilhão e conta, atualmente, com 36 milhões de membros em 46 países ao redor do mundo. No Brasil, o Ashley Madison possui mais de 2 milhões de usuários inscritos.

laser monks

Vamos falar da LaserMonks.com. Uma empresa de venda pela internet de cartuchos de tintas para impressoras que foi fundada por monges.  A ideia de originou-se com o padre McCoy no dia em que sua tinta para impressora acabou e ele não achou um preço razoável que merecesse ser pago. O religioso descobriu que o negócio das fábricas de impressoras era justamente as tintas. Resolveu fundar uma empresa que eliminasse o intermediário. Deu certo. Atualmente os monges da LaserMonks têm mais de 50 mil clientes e 200 a 300 solicitações diariamente.

fraser jam

Embora as novas tecnologias tornam as coisas muito mais fáceis, não pense que todos os caminhos para a fortuna está na internet. O jovem escocês Fraser Doherty começou a preparar geleia na cozinha de sua casa, seguindo a receita de sua avó. Ela tinha apenas 14 anos … e dois depois ele deixou a escola para se dedicar em tempo integral ao seu empreendimento. Atualmente controla cerca de 10% do mercado de geleias do Reino Unido e ganha mais de um milhão de dólares a cada doze meses. E tudo graças à boa mão de sua avó!                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                         

doggles

Também é surpreendente que os criadores de Doggles.com tenham começado a vida milionária com óculos de sol para cachorros. A ideia se tornou viral na época e, aproveitando a onda de popularidade,  seus donos aproveitaram para expandir o negócio e vender outros produtos ´para o melhor amigo do homem.

alex

Mas considerável mesmo foi a ideia de Alex Tew, um estudante britânico que criou um site com um painel de 1.000 x 1.000 pixels e vendeu cada pixel como espaço publicitário ao valor de um dólar. Ganhou mais de um milhão em 5 meses. A solução para arrecadar dinheiro para os estudos veio de uma brincadeira chamada “The Million Dollar Homepage”. Alex vendeu um milhão de pixels de seu espaço na tela do site para anunciantes. Anos depois, ele criou a sua própria startup, a PopJam, um chat que pode ser acessado por usuários do Facebook. Mas, agora ele quer criar o ‘verdadeiro’ Facebook com a ajuda dos usuários e do dinheiro deles. Um real ‘livro de rostos’ por US$ 3, com as pessoas mandando as fotos que usam em seu perfil do Facebook para imprimir um livro com os rostos quando o número chegar a um milhão.

Fique RICO doando tudo o que não usa mais

Posted in FILOSOFIA, OPINIÃO, PENSAMENTO by dibarbosa on 8 de abril de 2015

Livre-se de objetos inúteis em sua casa e das crenças que você não pratica.

Torneira de Grana

A prosperidade advém de leis comportamentais e/ou espirituais. Não sabia? Tente seguir este conselho. Talvez seja difícil se livrar de algo valioso, mas este comportamento vai doutrinar, inconscientemente, suas atitudes com relação ao dinheiro.

 23:44h GMT – 25/05/2015 UrbsMagna

Nada como a tranquilidade de ter as contas antecipadamente pagas além da possibilidade de renová-las, duplicá-las, triplicá-las ou multiplicá-las por quanto você quiser e, enfim, viver com a segurança que você, lá no íntimo, acha que merece. Mas saiba que você pode estar fazendo tudo errado há muito tempo. E certamente está.

Desde o seu nascimento até a atualidade sua vida foi sabotada. Mas quem fez isso? Surpreenda-se com a resposta: você mesmo. Talvez o que você pensou responder o levasse na direção oposta ao seu Ego, ou ao redor dele. Mas a verdade é que você permitiu que a falta de prosperidade em tua vida fosse explicada. 

Essa autossabotagem é perniciosa ao extremo. Livre-se do sentimento de vítima e da explicação para sua condição atual. O que quero dizer é que você tem que começar a correr atrás. Mentalizar um objetivo na tela de tua consciência e buscar, almejar alcançá-lo fazendo os mecanismos do teu inconsciente trabalhar em seu favor.

E aqui está algo que pode realmente ajudá-lo em sua renovação espiritual e comportamental: você tem que se livrar de todas, eu disse todas, as suas coisas que não usa. Você deve doar tudo aquilo que está parado em tua casa. Você tem que abrir espaço, quer seja físico, de hardware ou de memória, software (é claro que isso é uma metáfora).

Como saber o que você tem em casa que não utilizará mais? Basta medir o tempo de propriedade de cada objeto que você possui. Por exemplo, um ano pode ser uma boa medida. Se algo está ocupando espaço há um ano sem utilização, possivelmente você jamais irá mudar esta condição. Então, amigo(a), doe para quem precisa ou, simplesmente, jogue fora.

Desta forma você estará liberando espaço na memória e fisicamente. Simplesmente porque você não terá mais em mente aquela preocupação sobre o que fazer com algo que você não quer compreender que é inútil em tua vida, mas que está guardadinho lá naquele lugar ocupando espaço em sua vida. Doe ou jogue fora e seja feliz.

Abra espaço para as novidades. Libere a memória RAM e fique despreocupado para armazenar informações novas que realmente podem ser úteis em tua vida. Renove-se. Pare com teus pensamentos em mesquinharias e seja grande. Seja nobre. Mude já. Convença-se disso. Saiba que é melhor tentar do que continuar do jeito que está. Boa sorte!

Brazil Update: reinicialização para instalação de atualizações políticas importantes

Posted in BRASIL, OPINIÃO, POLÍTICA, PROTESTOS NO BRASIL, VERGONHA DE SER BRASILEIRO by dibarbosa on 17 de março de 2015

updateApós as manifestações de 15 de março, uma reflexão mais aprofundada do que está acontecendo no país.

         Está muito claro para muita gente, mas infelizmente o Brasil está repleto de “midiotas”, ou seja, pessoas que sofrem de inépcia e compõem a platéia manipulada pela grande mídia nacional. Tais corações imaturos batem no ritmo dos acontecimentos e desconhecem que suas próprias culturas também os envolvem em corrupção até a alma. Obviamente, uma boa parcela da população que dá a cara para bater em manifestações populares tem engajamento suficiente para, ao invés de naufragar na grande loucura das massas que temos visto nos últimos meses, organizarem-se e empenharem-se diligentemente em projetos de mudanças que urgem há tempos.

          Não estou defendendo um lado nem outro nem ninguém. Penso que quaisquer equipes governamentais que atuarem em nossa nação estarão fadadas a receber nossa omissão de presente, o que sempre os encorajará ao pecado capital, enquanto nos faltar embasamento político. Me digam: quem está organizando um movimento mais direcionado à soluções, resultados positivos? Aqueles que entendem do assunto são carentes do sentimento humanitário que os afundam na inércia de seus comodismos. Quem está nas ruas protestando quer é se dar bem sem ninguém para atrapalhar. Não querem a comunhão e o igualitarismo salarial; distribuição de renda. Querem crescer economicamente mas individualmente. Infelizmente todos os absurdos registrados pela imprensa e comentados no mundo inteiro são fatos que se perpetuarão enquanto nossos passos não forem dados na seguinte ordem: Reforma na Educação, Reforma  Política e, finalmente, Reforma Constitucional.

          Não há um lado certo e um errado. Ninguém está totalmente certo ou totalmente errado.  Impeachment não resolverá nada como o do passado também não resolveu. Outros problemas surgirão com outros políticos substitutos pois o problema não são apenas eles. Enquanto nosso foco não mudar; enquanto as pessoas certas estiverem dispersas pelo país quando poderiam se unir e atuar na política nacional, nenhuma mobilização de insatisfação será suficiente. O problema está na raiz. Não foi à toa que “The Guardian”, “Forbes”, “The New York Times”, destacadamente dentre outros, publicaram suas opiniões conforme lemos depois das manifestações. O Brasil necessita de um bom programa anti malware; anti vírus. Tem que ser resetado. Formatado. Reiniciado e operado por mãos talentosas. Precisa de bons programas de atualização de desempenho.

          As marchas nas ruas apenas demonstram indignação e insatisfação. Só barulho. Nenhuma idéia. Uma palhaçada total. Volta da ditadura, blah! Querem também a volta da inflação a oitenta por cento ao mês? A volta da mortalidade infantil? A redução do IDH? A redução do PIB nacional? E etc, etc. A quem isso beneficiará? Qual classe social predominará com uma intervenção militar?  Milhares foram às ruas em 15 de março, mas certamente muitos milhões de brasileiros sequer têm uma opinião formada sobre tudo isso. Por quê? Porque nunca o Brasil esteve tão transparente. Todos se revoltam com a burguesia corrupta. Eu disse burguesia corrupta. Isso, sim, no fundo a classe menos favorecida acha, de fato, um tremendo absurdo.

Protestos encomendados

Posted in BRASIL, ECONOMIA, INTERNET, OPINIÃO, POLÍTICA, PROTESTOS NO BRASIL, VERGONHA DE SER BRASILEIRO by dibarbosa on 14 de março de 2015

A manipulação da mídia e dos grandes empresários

mblNão se iludam com a sonoridade do MBL em seu pré-falido plano agitador do impeachment. Não há genialidade alguma na política inconsistente de Kim Kataguiri e Renan Santos.

O MBL (Movimento Liberta Brasil) é financiado e ajudado por políticos e empresários opositores no governo. Estima-se que a dupla Kataguiri e Santos recebe em torno de R$ 50 mil mensais, o que os estimula a continuar na articulação de uma estratégia infundada e nada visionária. Mas as doações não param incentivando-os mais e mais a convocar o povo para as ruas. Isso foi conseguido graças ao carisma e à eloquência, ainda que com inconsistência histórica e política, principalmente de um jovem descendente de nipônicos que alguém no Folha OnLine, em matéria de sua coluna Opinião curiosamente sem autoria, desclassificou ao dizer que “um idiota bem-intencionado pode causar tanto ou mais estrago que um gênio corrupto.” Não creio, com base no despreparo juvenil dos envolvidos, que haverá algum dano à democracia brasileira, apesar da ideia de acabar com o PT ter sido acatada por simpatizantes do Vem Pra Rua nas principais capitais do Brasil e em muitas cidades economicamente expressivas. A agitação ocorreu em mais de 50 cidades, de acordo com as confirmações “assinadas” contra Dilma Rousseff e o PT

O Massacre de Dilma pela Globo

Posted in BRASIL, OPINIÃO, PENSAMENTO, POLÍTICA by dibarbosa on 10 de março de 2015

 

PAULO HENRIQUE AMORIMO afiado Paulo Henrique Amorim denuncia o massacre que a TV Globo planeja sobre a presidenta Dilma Rousseff, enquanto blinda FHC, Serra e Aécio Neves em seus telejornais. Esta é a Grande Mídia brasileira. Assista!


Em Março e Abril de 2014, o assunto mais inportante na cabeça dos brasileiros era a Copa do Mundo. Na atualidade, nos meses que se seguem, o assunto mais importante na cabeça dos brasileiros é o petrolão. Disparadamente na frente da crise de abastecimento de água, desemprego e outras crises como segurança, saúde, educação, o escândalo da petrobrás está bem acima da média. E onde o brasileiro se informa sobre o escândalo da petrobrás? A grande maioria dos que se informam sobre o tema é aquela que assiste ao Jornal Nacional. Os outros se dividem entre outros canais e outros telejornais da Globo. Qual o nome disso? MASSACRE!

O Petrolão é só a Cereja

Posted in BRASIL, ECONOMIA, OPINIÃO, PENSAMENTO by dibarbosa on 8 de março de 2015

brasil eu te amoA CRISE TÁ NA CARA DE TODO MUNDO. NÃO ADIANTA TER MEDO, ELA TAMBÉM TE PEGOU. ENQUANTO ISSO A NINGUENZADA, LEIGA EM ECONOMIA, AINDA FAZ PLANOS PARA O FUTURO.

bolsa

       Eu sou contra a malandragem; o jeitinho bananense. E se para acabar com a palhaçada milhões tenham que se danar, então se danem na rodinha com areia. Que tomem bem no centro, só com a passagem de ida pra demorarem a voltar, pois voltarão a pé. Vou repetir quantas vezes for autorizado que esse país está indo para a vala pois os fundamentos econômicos já eram. O sonho acabou e ainda tem gente sonhando. Voltaremos a uma divisão de classes simplificada, entre quem pode e quem não pode, e espero estar na classe dos quem podem. Quero o meu bote do Titanic. Essa pátria viverá como se fosse um campo de concentração, só que as celas não serão separadas por grades mas sim pela falta de dinheiro. Isso é visível: um prédio com gente da alta líquida com grana no bolso contrastando com outro prédio do lado com apês de 50m2 só com ninguenzada cheia de carnezinhos, tudo financiado. E não adianta me chamarem de elitista ou branco dos olhos azuis. Qualquer trouxa já percebeu isso. E quem ainda tiver um resto de cérebro que funcione vai querer dar o fora desse país ou, se não, pertencer ao resto de classe média-rica que sobrou.

          Os austríacos odeiam a matematização da economia. E estão certos. Planejar a economia com índices, médias e estatísticas é ignorância. E é por isso que eles gostam de focar nas relações causa x efeito das inúmeras intervenções do setor público na economia. O que não significa que deve-se jogar fora estes indicadores. São parâmetros, mas com base neles não é possível fazer grandes trabalhos, principalmente se o grupo no governo for como este, que não entende o funcionamento da ciência econômica. Em toda a Banânia há vários lojistas passando seus pontos, mas se pediram um valor X é porque viram que alguém podia pagar. O que não falta em Bananalandia é gente que não tem noção do valor das coisas. Mas agora o dinheiro das pessoas está acabando. Taí um bom exemplo de cauxa x efeito que poderia ter sido antecipado. Já naquela época em que Tupã proibiu que o maracujá de uma árvore sagrada fosse consumido, mas mesmo assim o metamorfoseado de cobra com urutu do FHC ofereceu-o a uma virgem tupinambá e daí iniciou-se a novela nacional à partir do Pecado Original Tupiniquim.

          E assim, até hoje, a elite branca de olhos azuis não paga por nada neste Brazil-zil-zil. Fora a palhaçada! Com todo o respeito aos nobres artistas circenses, não só a fantasia já acabou, como acabará na mais devastadora das crises da história do país. Só lamento, mas a culpa será só dos crédulos nas utopias falidas providentes de um, em suma, colossal conto do vigário. Há anos senti o cheiro da merda no ar. Eu sempre olhava para a perspectiva errada, mas mudei esta posição: não tenho dívidas nem financiamentos e durmo tranquilo. Mas fico pensando na pobre e ignorante população. Tem gente que vai passar necessidade. Pqp! Não adianta ter medo, a crise vem como num estouro de manada. Mesmo assim, começo a ficar com medo. Mesmo tendo alguns peixes, enlatados, gerador e uns pés de frutas e madiocas, estou digitando ajoelhado no chão, chorando, com a bíblia no colo e pedindo desculpas a todos os deuses da Terra.

Tagged with: , , ,

O Estranho Mundo dos Midiotas

Posted in BRASIL, OPINIÃO, PENSAMENTO by dibarbosa on 8 de março de 2015

imageSe você lê jornais e assiste o noticiário televisivo, e além disso leva em conta os comentários dos especialistas em generalidades que proliferam nas emissoras de rádio e acompanha sofregamente tudo que circula nas redes sociais digitais, pode estar certo de que você está incurso no arco de seres humanos que estão sendo estudados pelos especialistas em comunicação de algumas das melhores universidades do mundo. Esse espectro vai do indivíduo profundamente elaborado, que é capaz de filosofar sobre o mundo midiatizado, ao perfeito midiota. O contexto teórico considerado por esses estudiosos tem como objeto o que em língua inglesa se chama Media Literacy e que, em Português, é chamado, principalmente no núcleo de estudos específicos da Universidade de São Paulo, como Educomunicação. Trata, como se pode depreender, de uma educação especial que habilita o indivíduo a entender o conteúdo da mídia e formular sua própria opinião a respeito dos assuntos abordados. O pressuposto de tal disciplina é que a mídia tem uma função social que vai muito além da tecnologia e dos recursos financeiros usados para fazer com que aconteça a comunicação. O professor Thomas Bauer, responsável pela cadeira de Cultura da Mídia e Educação pela Mídia na Universidade de Viena, observa que essa função dos meios deve extrapolar o conceito de troca de informações passando por um filtro (mediação), para o propósito de contribuir para a construção de uma ordem social baseada na diversidade. Além de balizar a organização da ordem social, juntamente com outras instituições e entidades formais ou informais, a mídia deve participar das negociações entre os indivíduos, isoladamente ou em grupos, entre si, para que se obtenha uma sociedade sustentável. Uma proposta de educação que considere o papel da mídia como tal deve, segundo Bauer, apontar para a conquista da competência de distinção do significado de diferentes situações, em termos de ética, estética e benefício potencial. Numa circunstância ideal, a sociedade sustentável conta com pessoas capazes e responsáveis pelo uso da mídia como meio de comunicação e conexão social, e não apenas como clientes a serem convencidos disto ou daquilo.
Educação para a mídia – Como no “vidiota” do romance de Jerzy Kosinski que inspirou o filme intitulado “Muito além do jardim”, a intensa exposição à mídia, sem o contraponto do senso crítico, pode ser uma prática perigosa. O indivíduo habilitado para interpretar a narrativa e o discurso propostos pela mídia nesse papel é também capaz de questionar o sentido que a mídia propõe para os acontecimentos do cotidiano. Um grande contingente de cidadãos em condições de distinguir os vários significados das situações que a imprensa lhes apresenta será mais senhor de seu destino e se tornará menos vulnerável a discursos manipuladores e demagógicos. O dilema está no fato de que esse benefício depende em grande parte de uma determinação da mídia hegemônica de usar seus recursos eticamente e com grande empenho estético. O problema se complica quando a própria imprensa faz escolhas contrárias à ética, esteticamente inadequadas e fora do propósito do bem, com o objetivo de usar a conectividade social que lhe é atribuída para arregimentar adeptos a um modo de vida simbólico que contraria o interesse coletivo. Claro que tudo isso pressupõe a existência de interesses coletivos em meio a idiossincrasias individuais, mas o problema se resolve com a observação segundo a qual a sociedade se forma por meio da comunicação, produtora de sentido – portanto, criadora de cultura. Uma maneira simples de avaliar se determinado meio contribui para este ou aquele tipo de sociedade é observar se suas mensagens estimulam, por exemplo, uma cultura de paz ou a violência; se propõe uma visão tolerante das diferenças ou se investe no confronto. É da modernidade supor que o indivíduo se torna responsável por suas escolhas, ou, em outra acepção, no uso de suas vontades fortes ou fracas. Portanto, parte da responsabilidade pelo que se processa no ecossistema midiático compete à mídia, mas o arbítrio ainda é do cidadão. Quando dizemos que “você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito”, estamos apostando que, exercitando a observação crítica da imprensa, o indivíduo se educa para a mídia. Essa distinção de habilidades é que faz, de uns, midialiteratos e, de outros, no ponto extremo do que acreditam em tudo que leem, midiotas. 

⛲: observatório da imprensa

Tagged with: , ,

Religião e Terrorismo

Posted in HISTÓRIA, MUNDO, OPINIÃO, PENSAMENTO, POLÍTICA, RELIGIÃO by dibarbosa on 1 de fevereiro de 2015

 ENTENDA O QUE ESTÁ ACONTECENDO NO MUNDO?

facebook-redondotwitter-redondogoogle+

 

Minoria deslocada da seita Yazidi foge da violência das forças do estado islâmico na região em torno das montanhas de Sinjar, Iraque (Foto: Reuters)

Minoria deslocada da seita Yazidi foge da violência das forças do estado islâmico na região em torno das montanhas de Sinjar, Iraque (Foto: Reuters)

Os principais conflitos do final do século XX e do início do novo milênio têm um fundo religioso. Tornou-se claro em Paris, com o assassinato dos cartunistas e outros por fundamentalistas islâmicos. Como a religião entra nessa?

Não sem razão, Samuel P. Huntington escreveu em seu famoso livro O Choque de Civilizações: “No mundo moderno, a religião é uma força central, talvez a força central que motiva e mobiliza as pessoas … o que em última análise representa pessoas não é uma ideologia política ou de interesse econômico, mas as pessoas se identificam com crenças religiosas, familiares e credos. Por estas coisas, lutam e estão dispostas a dar sua vida.” (1997, p.79). Uma clara crítica à política externa dos EUA por nunca ter dado a devida importância ao fator religioso, considerado algo passado e superado. Grande erro. Religiosidade é o substrato dos mais graves conflitos que estamos vivendo. Gostemos ou não, apesar do processo de secularização e da ocultação do sagrado, grande parte da humanidade é guiada por religiosos, judeus, cristãos, muçulmanos, xintoístas, budistas e outras muitas.

Isso já foi dito por Christopher Dawson, o grande historiador Inglês de culturas: “… as grandes religiões são os alicerces sobre os quais repousam as civilizações.” (Dynamics of World History, 1957, p.128). As religiões são o point d’honneur de uma cultura, porque através do projeto de seus grandes sonhos, desenvolvem-se as suas opiniões éticas, conferem-se um sentido à história e tem-se sempre uma palavra a dizer sobre os objetivos finais da vida e do universo. A cultura moderna não produziu nenhuma religião. Um substituto idólatra foi adotado pela população, como o progresso sem fim, o consumo ilimitado, a acumulação sem limites e outros. O resultado foi denunciado por Nietzsche quando proclamou a morte de Deus. Não que Ele tenha morrido. Mas ele quis dizer que Deus não era mais referência para os valores fundamentais que dão uma maior coesão entre os homens. Os efeitos disso vêm em uma escala dimensional a nível planetário: a humanidade sem rumo, a solidão excruciante e a sensação de falta de raízes sem que saibamos onde a história nos levará.

Se quisermos a paz neste mundo, precisamos recuperar o sentido do sagrado, a dimensão espiritual da vida que se destaca nas origens das religiões. Na verdade, mais importante do que a religião é a espiritualidade que se apresenta como a dimensão humana mais aprofundada. Mas a esta se manifesta mesmo sob a forma de religiões cujo significado é nutrir, sustentar e permear a vida com espiritualidade. Mas nem sempre isso é executado pois quase todas as religiões são institucionalizadas tendo entrado em algum jogo do poder e hierarquias, o que pode gerar formas patológicas. Tudo o que é saudável pode ficar doente. Mas exatamente medimos as religiões e as pessoas com tudo o que é saudável, e não pelo que é patológico. E aí vemos que se desempenham um papel insubstituível: a tentativa de dar um sentido último à vida e oferecer uma imagem de esperança à história.

Acontece que hoje o fundamentalismo e o terrorismo, que são patologias religiosas, se tornaram importantes. Em grande parte, devido ao processo devastador da globalização (na verdade é a ocidentalização do mundo) que passa sobre as diferenças, destrói identidades e impõe-lhes hábitos estranhos. Normalmente, quando isso acontece, as pessoas se apegam a essas entidades que passam a ser os guardiões de suas identidades. As religiões mantêm as suas memórias e as concentram em símbolos. Por exemplo, no Iraque e no Afeganistão milhares de vítimas se sentem invadidas e se refugiam na religião como uma forma de resistência. Portanto, a questão não é religiosa. É a política antes de usar a religião para se defender. A invasão gera raiva e desejo de vingança. O fundamentalismo e do terrorismo encontram, nesse complexo de questões, seu nicho de origem. Daí os ataques de terror.

Como superar este impasse civilizatório? É essencial vivermos a ética da hospitalidade, colocarmo-nos à disposição do diálogo e aprender com o diferente ativando nossa tolerância e sendo mais humanos. As religiões precisam reconhecer que há outras religiões também. Precisam dialogar e buscar uma convergência mínima que lhes permita viver juntas e em paz. Antes de tudo, é importante reconhecer o pluralismo religioso, de fato e de direito. A pluralidade é derivada de uma compreensão correta de Deus. Nenhuma religião pode querer abranger o Mistério, a Fonte Original de todo ser ou qualquer outro nome que se queira dar à Suprema Realidade nas malhas de seus discursos e rituais. Se fosse assim, Deus seria apenas um pedaço do mundo, apenas um ídolo. Ele está sempre lá e sempre acima. Assim, haverá espaço para outras expressões e outras formas de celebrar que não seja exclusivamente através de uma religião determinada.

Os primeiros onze capítulos do Gênesis contêm uma grande lição. Eles não falam de Israel como o povo escolhido. Se faz referência a todos os povos da Terra como o grande povo de Deus. Sobre eles, se eleva o arco-íris da aliança divina. Esta mensagem nos lembra, sobretudo hoje em dia, que todos os povos, com suas religiões e tradições, são povos de Deus, todos vivem na Terra, jardim de Deus e formam a única Espécie HUmana composta de muitas famílias com sias tradições, culturas e religiões.

(*) Leonardo Boff é Teólogo.

Marco Archer executado e imortalizado em filme?

Posted in BRASIL, CINEMA, FACEBOOK, INTERNET, MUNDO, OPINIÃO, PENSAMENTO by dibarbosa on 30 de janeiro de 2015

Marco Pena de MorteUma publicação no facebook está recebendo milhares de curtidas e compartilhamentos. O assunto é Marco Archer (foto) que foi condenado à pena de morte e executado na Indonésia. A matéria incentiva o pensamento popular ao repúdio à ideia de transformar sua vida em filme. Discordo! Tem que transformar em filme sim e direi por quê. Mas antes direi que as opiniões seguem duas vertentes. Uns acharam bem feito. Outros, que Archer merecia uma segunda chance. Quanto a isso não opinarei, mas tão somente com relação à protagonização de sua história. Quem ainda não conhece as peripécias do traficante deveria ter este conhecimento. Em um resumo breve, citado também por Théa Moreira (em seu momento de fama) num texto de Vanessa Corsant, o executado tinha origem de família influente relacionada até mesmo à Fernando Collor de Mello. Segundo a ‘colunista social’ em sua resenha, Marco Archer, que foi campeão de asa delta na Colômbia aos 17 anos, descobriu um jeito fácil de ficar rico, lá mesmo no vizinho difamado, e nunca mais parou de ‘voar’ pelo mundo carregando a droga de seu equipamento, até que o vento mudou de direção e a (c)asa caiu. Enfim, o texto enfatiza a falta de sensibilidade do homem que entrou para a história como o primeiro brasileiro a ser condenado e a morrer à partir da legislação de outro país, falando de suas várias chances desperdiçadas de se redimir e adotar outro curso para si mesmo. 

Agora, quero dizer uma coisa importante: quem trabalha com a informação sabe geri-la com base no intelecto humano através da ordenação de palavras bem encaixadas em uma frase ou texto, o que é capaz de incentivar ou desestimular um pensamento; formar uma opinião. As curtidas para a confecção literária lá na rede social mereceram, também, o meu aplauso, mas tão somente pela construção de um texto interessante, o qual conduziu o leitor, muito limitadamente, à mera ação impulsiva de dar um ‘like’ notadamente abaixo de qualquer suspeita, e não pela ideia originada à partir dele. Creio que Vanessa conseguiu simpatizantes relâmpago, daqueles que vivem somente em redes sociais e não se aprofundam no teor. Sou a favor do filme, sim, e não se trata de imortalizar um criminoso como a mocinha esculpiu na imaginação facebookiana dos despreparados devoradores de compartilhamentos; comedores de letras do mundo analfabeto a que estamos sendo conduzidos. Marco Archer, o primeiro brasileiro executado pela pena de morte alheia, será imortalizado justamente por sua própria morte, e jamais por sua vida glamourosa, afinal o epílogo que todos conhecemos não foi feliz e é justamente à esta moral da história que estou me referindo. A produção cinematográfica seria benéfica e impactaria a sociedade de uma maneira inédita à partir destes fatos reais que o mundo conheceu recentemente.  

Político consciente

Posted in BRASIL, OPINIÃO, PENSAMENTO, POLÍTICA, VERGONHA DE SER BRASILEIRO by dibarbosa on 2 de janeiro de 2015

Merecimento: a boa razão para a promoção profissional.

DesembargadorNestes novos tempos, onde a hierarquia hereditária tomou conta dos gabinetes públicos, quase não conhecemos mais as histórias de sucesso epilogadas pelo sucesso emergente advindo do trabalho consciencioso e preciso de profissionais que honraram a bandeira que empunharam, representantes fiéis de suas Companhias, durante um bom período de tempo. Mas não é o caso do desembargador Alan Sebastião de Sena Conceição, do Tribunal de Justiça de Goiás, que concedeu uma entrevista ao jornalista Cleomar Almeida, do jornal O Popular, explicando porque recusou os auxílios-moradia e livro – bem como o uso de carro oficial – que lhe são de direito:

“Se tenho moradia própria, qual a razão de receber? Nós já temos um salário razoável, o bastante para vivermos com dignidade. Também não seria justo adquirir livros com o dinheiro do poder público e, depois de aposentar, levar todos como se fossem propriedade privada. Está aí um motivo também de não comprar livros com verba do poder público. Quando assumi, quando fui promovido para o cargo de desembargador, fiz a renúncia do carro de representação, mas sem nenhuma crítica aos que usam isso. Sem nenhuma crítica. Não é nenhum desejo de ser moralista, apenas ser coerente com uma história de vida.”

O magistrado, que se diz contrário à politização do Judiciário, mora perto do trabalho e seu motorista trabalha na secretaria do gabinete. Veio de origem humilde, sendo filho de comerciante e dona de casa. Ingressou na magistratura em 1976 e chegou ao tribunal por merecimento.

Ego: o nosso maior inimigo

Posted in CIÊNCIA, FILOSOFIA, OPINIÃO, PENSAMENTO by dibarbosa on 28 de dezembro de 2014

“Conhece-te a ti mesmo e conhecerás os deuses e o universo”
Sócrates – 469 a.C. – 399 a.C.

atualização 08nov16 115:42GMT

1 - sócrates

Sócrates

2 - Platão

Platão

Quando Platão (428 a. C. – 347 a. C.) manuscreveu e eternizou suas escrituras através de seus diálogos platônicos com origem na dialética socrática, onde o filósofo grego Sócrates, seu mestre, é apresentado ao mundo como o autor da frase que se transformou em uma das máximas mais conhecidas no mundo moderno, ele não foi capaz de imaginar quão grandiosa seria a repercussão daquela ideia, genuinamente verídica, ao redor do mundo, o que influenciaria diretamente na análise do comportamento de toda a raça humana chegando ao ponto de se enraizar definitivamente na origem da própria filosofia. Mais tarde, e com base neste princípio, nossa moderna teoria psicanalítica nos apresentou um modelo triádico da consciência ao subdividir o aparelho psíquico em três estruturas fundamentais: Id, Ego e Superego. O primeiro, concentra a libido onde se formam os instintos, os impulsos e os desejos inconscientes. Em seguida, dando origem ao adjetivo egoísta, o Ego é o estruturador do campo da harmonização dos desejos do Id após uma consulta ao banco de dados do Superego quando acontece a racionalização das situações inesperadas do primeiro em contraste com o último, em uma significativa e marcante avaliação dos prós e contras, sendo selecionadas – tão somente e, por este motivo, perigosamente – as impressões que geram vantagens, quer sejam relacionadas com o prazer em si ou mesmo com a possibilidade da utilização de qualquer argumento como trunfo a ser utilizado em alguma eventual situação visando, também, o bem estar. Por fim, concentrando a ideia do bem e do mal, o Superego dá  a moral da história. É o conteúdo vivido e assimilado pela mente do homem e que contém as premissas para qualquer boa avaliação, sendo baseada, quase que completamente, nos ensinamentos de berço dos pais para os filhos, em um momento inicial da existência quando pode ocorrer a criação de fantasmas traumatizantes que assombrarão o indivíduo por um bom tempo.

society_of_the_spectacle

Sociedade do espetáculo

Smiling Group of Professionals

Profissionais Corporativos

freud1

Sigmund Freud é considerado o pai da psicanálise

Mas o que sabemos sobre tal assunto que, aparentemente, é de uma complexidade cognitiva tão tremenda que quando nos deparamos com prefácios introdutivos mais técnicos do que o habitual, nossas mentes já começam a desistir de insistir em sua leitura e compreensão? A verdade é que, quase que generalizadamente, os indivíduos de uma sociedade não conhecem suas verdadeiras essências como indivíduos fora dela. Isso se dá, especialmente, porque vivemos neste mundo moderno com todos os processos facilitados por uma máquina social que contém um esquema de funcionamento grandiosamente complexo que vem se transformando e se aperfeiçoando com o passar dos tempos com um objetivo geograficamente reconhecido de melhor garantir nossas necessidades diárias – especialmente as do âmbito alimentar de toda a população terráquea. A consequência é que não nos damos mais conta do que somos verdadeiramente e, com os adventos das redes sociais e dos programas televisivos que visam não só o entretenimento mas também a geração de consumidores para essa máquina, passamos a exercer o mesmo papel na sociedade que o vizinho do lado, e é exatamente aí que nos perdemos. Deixamos de conhecer nossa real identidade. Viver em harmonia com a nossa própria espécie requer transformações que podem, na maioria das vezes, inutilizar nossa verdadeira personalidade para sempre. E os psicólogos sabem disso. Nossa individualidade é corrompida e comprometida desde o momento inicial em que passamos a exercer nosso papel em uma corporação. Por um outro âmbito, o geral, isso não é ruim, pois o mundo não tem espaços para a imparidade e necessita da colaboração de todos nós para o funcionamento do aparelho social. Isso quer dizer que deixamos de praticar, no dia-a-dia, todo o conjunto descrito na tríade supracitada por questões de sobrevivência meramente física, sendo que o espírito se torna maculado pela agressão das correntes contrárias ao elemento individual. Por isso existe a necessidade de uma válvula de escape para cada pessoa, o que tem uma funcionalidade diferente para outra e assim por diante. As pessoas felizes e realizadas conseguem administrar a consciência de uma forma mais sábia que a média. Comprovadamente, nossa raça tem anseios encubados que atravessam gerações. O resultado disso é que, graças à nossa má administração da funcionalidade de nossa tríade, o Ego passou a ser observado como o principal causador da infelicidade humana passando a ser observado ao longo de anos e descrito, unanimemente, como o grande vilão disfarçado que, na maioria das vezes atrapalhou, ou tentou estragar, todos os nossos projetos mais promissores no decorrer de toda a nossa jornada até aqui. Segundo muitos especialistas no assunto, tudo poderia ter sido diferente, e ainda pode, a partir de nosso comprometimento com uma introspectiva capaz de revelar os deuses e o universo afirmados por Sócrates quando ele proferiu sua mais célebre sentença sugerindo ao homem que conhecesse a si mesmo em uma frase que pode ser entendida como, utilizando-se de um trocadilho interpretativo na mesma ordem, da seguinte forma:“Conhece e domina a tríade de tua psiquê e alcançarás o equilíbrio emocional, o conhecimento da técnica e, por fim, a sabedoria”. Demais, não é mesmo? Algo como atingir o nirvana. Agora veja, abaixo, o que os especialistas mais recentes disseram sobre a nocividade do Ego:

O Ego é o pior dos trapaceiros em quem podemos pensar porque não o vemos.(Dr. Yoav Dattilo)
O segundo maior golpe é “Eu sou você”. (Dr. Steven C. Hayes)
O problema é que o Ego se esconde no último lugar em que você procuraria: nele mesmo. Ao criarmos este inimigo externo imaginário criamos um inimigo de verdade para nós mesmos e isto se torna uma ameaça real para o Ego, mas isto é também criação do Ego. Neste sentido podemos dizer que cem por cento dos nossos inimigos externos são nossas criações. (Dr. Peter Fonagy)
Ele disfarça os pensamentos dele com os seus pensamentos; os sentimentos dele com os seus sentimentos. Você acha que é você. As pessoas não têm ideia que estamos numa prisão; não sabem que há um Ego; não conhecem a diferença.(Leonard Jacobson)
A necessidade das pessoas de proteger seus próprios Egos não conhece limites. Elas mentem, enganam, roubam, matam, fazem o que for preciso para manter o que chamamos de fronteiras do Ego. (Andrew Samuels)
Primeiro: é muito difícil para a mente aceitar que há algo além dela; algo mais valioso e mais capaz de discernir a verdade em si. (Dr. David Hawkins)
Na religião, o Ego se manifesta como o demônio e, claro, ninguém percebe o quanto o Ego é esperto porque ele criou o demônio para que você culpe o outro. Não existe nenhum inimigo externo, não importa o que a voz da tua cabeça te diga. Toda a percepção do inimigo é a projeção do Ego como inimigo. (Dr. Deepak Chopra)
Seu maior inimigo é sua própria percepção; sua ignorância; seu Ego. (Dr. Obadiah S. Harris)Harrisdeepak

 

Rosane Collor e seu livro (delator?)

Posted in BRASIL, Livros, OPINIÃO, PERDENDO A RAZÃO, POLÍTICA, PROTESTOS NO BRASIL, VERGONHA DE SER BRASILEIRO by dibarbosa on 27 de dezembro de 2014

A mulher bomba Rosana Malta, assim renomeada após a separação, publica as “coisas” do presidente do impeachment Fernando Collor de Melo, como esquemas de corrupção e até seus rituais macabros.fernando-collor-presidente-impeachment-protesto-06-original (1)

Apesar do desequilíbrio emocional e espiritual visível ao longo dos anos em que se mantém separada do ex-presidente Fernando Collor de Melo, Rosana Malta, que chegou a dizer que é um dossiê vivo da era do impeachment, acaba de lançar um livro onde diz que conta toda a verdade (a dela) sobre seu ex-marido.

Na interpretação popular, uma mulher ferida e magoada pela traição do homem que um dia foi seu príncipe é capaz de qualquer coisa. Mesmo que Collor tenha sido e feito tudo o que presenciamos de sua péssima passagem pelo Governo do Brasil, e mesmo que ele tenha sido traído pela ex-primeira dama como afirma, a principal força motriz das revelações de Rosana Malta baseia-se na evidência de que seu ex-amado praticou infidelidade matrimonial durante sua Era no planalto, após o que Rosana foi trocada, assumidamente e publicamente, por outra mulher mais jovem e fértil e com a qual o atual senador pôde, enfim, ter seus sonhados herdeiros concebidos definitivamente, o que explica os rituais com fetos humanos descritos no livro.
Não há, pois, a menor necessidade de entrarmos no mérito da questão do impeachment para entendermos que as emoções supracitadas desta mulher vão além dos limites da tolerância e além do que merecemos ou desejamos saber. Mas como vivemos em país 42747945democrático, ainda que com tantos transtornos estatais que temos presenciado nos últimos dias/meses, somos obrigados a nos deparar com materiais impróprios e desnecessários para o nosso crescimento cultural e espiritual cabendo a cada um separar o joio do trigo.
No fim de toda essa novela pastelão que o Brasil já esqueceu, Rosana Malta diz ter se convertido à uma religião protestante, com ações muito diferentes das praticadas por seu doutrinamento espiritualista anterior e volta a expor uma ferida que é somente sua. Com tantos problemas que o país enfrenta, a crente emergente surge e quer meter toda a merda do passado no ventilador, mas ela já secou e desapareceu. Particularmente penso que ela deveria, há muitos anos atrás, ter catado o cocô de seu cachorro da grama alheia porque a bosta não era nossa e nem da nossa conta. Mas caso alguém (e deve ter muita gente) tenha interesse em adquirir ou conhecer a (literatura?) que jamais será um best-seller mas sim tão somente um ganha-pão, aqui vai a informação: Tudo o que vi e vivi – O testemunho corajoso da primeira-dama mais jovem que o Brasil já teve é o título da (obra?) publicação da Editora LEYA na qual a (escritora?) Rosane Malta confirma o esquema corrupto de PC Farias, fala de sua morte e discute para onde foi o dinheiro arrecadado pelo tesoureiro. Ficou curioso?

Ary Fontoura pede renúncia de Dilma e insinua que suicídio também é boa opção.

Posted in BRASIL, ELEIÇÕES 2014, FILOSOFIA, INTERNET, OPINIÃO, PROTESTOS NO BRASIL, VERGONHA DE SER BRASILEIRO by dibarbosa on 27 de dezembro de 2014

img-369245-ary-fontouraO ator Ary Fontoura, em sua página oficial do Facebook, publicou uma carta direcionada à presidente reeleita do Brasil, Dilma Rousseff, descrevendo sua má performance nestes 4 anos de governo e pede que ela renuncie ao mandato. Fontoura insinua que ela também pode se suicidar acrescentando que, caso ela não opte por uma ou outra sugestão, ao menos se desvincule do PT e de outras organizações suspeitas e mafiosas, em nome do povo brasileiro.

No documento, Fontoura começa se identificando diretamente para Dilma e assume sua carta em nome de todos os brasileiros, a qual contém um trecho no início onde se lê: “…venho solicitar, … a sua renúncia.” escreveu o ator.
Ary Fontoura explica seus motivos para tal pedido dizendo-se cansado de todas as lutas que o Brasil enfrentou e acrescenta que nosso país jamais terá um grande presidente enquanto Lula e o PT estiver por trás das decisões do planalto.
ator, ainda, insinua que Dilma poderia se suicidar a exemplo de Getúlio Vargas, que preferiu a morte à desistência de governar e cita Jânio Quadros que alegou “forças ocultas” quando abandonou o cargo.
.

 Leia a carta na íntegra na página do autor.

Brasileiros pediram intervenção dos EUA contra o PT de Dilma e Lula

Posted in BRASIL, ELEIÇÕES 2014, EUA, MUNDO, OPINIÃO, POLÍTICA, PROTESTOS NO BRASIL, VERGONHA DE SER BRASILEIRO by dibarbosa on 3 de novembro de 2014

O INÍCIO: COMO SURGIU A IDEIA DO GOLPE 2016
Da série infinita
 Vergonha de Ser Brasileiro
Petição online em site da Casa Branca pediu que EUA intercedesse na “expansão comunista bolivariana no Brasil”
Brasileiros pediram ajuda a Barack Obama contra o PT

Um site da Casa Branca, que oferece um espaço para que o cidadão se manifeste acerca de vários temas, registrou uma petição inédita em toda sua existência no ar.

Em 28 de outubro de 2014, alguns brasileiros resolveram pedir ajuda a Barack Obama contra Dilma e o PT de Lula para que fosse evitada uma “expansão comunista na América Latina”. Veja abaixo:

petição site casa branca

O site do governo dos Estados Unidos, no entanto, alegou que poderia se recusar a agir em resposta a qualquer petição com o fim de evitar que aparentemente estivesse sofrendo alguma influência. A petição, hoje removida da página, reproduzia-se como segue:

 Em 26 de outubro, Dilma Rousseff foi reeleita, e continuará com o plano de seu partido em estabelecer um regime comunista no Brasil – o modelo bolivariano proposto pelo Foro de São Paulo. Nós sabemos que aos olhos da comunidade internacional, a eleição foi totalmente democrática, mas as urnas de votação utilizadas não são confiáveis, sem contar com o fato que as cabeças do Judiciário são em sua maioria membros do partido vencedor. As políticas sociais também influenciaram a escolha para presidente e as pessoas foram ameaçadas de perderem seu subsídio para comida se eles não reelegessem Dilma. Nós pedimos por uma posição da Casa Branca em relação à expansão comunista na América Latina. O Brasil não quer e não será uma nova Venezuela e os EUA precisam ajudar os promotores da democracia e da liberdade no Brasil”.  

O efeito:

Após alguns blogs, inicialmente, divulgarem sobre eleitores denunciando uma suposta fraude nas urnas eletrônicas das eleições 2014, desencadeou-se um grande descontentamento com o resultado das eleições presidenciais que reelegeu Dilma Rousseff (PT) e abateu Aécio Neves (PSDB) por uma diferença de aproximadamente 3,5 milhões de votos. A partir daí, iniciou-se o “terceiro turno” em campanhas que dividiram o país ao meio entre acusações de um noticiário falso, o que culminou com várias manifestações independentes, como foram os casos ocorridos na avenida Paulista em São Paulo, SP, a menos de uma semana após a apuração pelo TSE. No dia 1 de novembro, quase 2,5 mil pessoas compareceram, convocadas pela rede social Facebook, para exigir o impeachment da presidenta. Ela já tinha uma petição no site Avaaz desde junho de 2013 contando com mais de 1,8 milhão de assinantes. O país foi tomado por pessoas que ddiziam e publicavam coisas sem a menor responsabilidade. Até o cantor Lobão, em sua decadência moral e psicológica, omprometeu sua imagem e a imagem do PSDB. Na ocasião, ele disse que se Dilma ganhasse sairia do país. As pessoas não podem ser impedidas de falar porque é uma democracia, por isso devemos utilizar o discernimento inteligente que favoreça a seleção das melhores idéias. Nos EUA, com a democracia sendo o motor do congresso, obviamente Mister Barack Obama e todo o pessoal da Casa Branca deve ter dado boas gargalhadas com nossa crise moral. A petição foi mantida democraticamente por algum tempo e o mundo inteiro conferiu e morreu de rir, o que causou e causa, em muita gente aqui, uma grande vergonha de ser brasileiro.

 

Sobre o protesto sábado na Paulista

fora DilmaOs filhos da mídia foram neste sábado para as ruas protestar contra, bem, contra sei lá o quê. Contra terem perdido nas urnas e, portanto, contra a democracia. Disse “filhos”, mas poderia ter dito “vítimas”. Porque em sua louca cavalgada antidemocrática eles foram intoxicados mentalmente pelo que a mídia deu nestas últimas semanas. Eles pareciam saídos das páginas da Veja e dos comentários de gente como Jabor. Pediam o impeachment de Dilma pelo caso Petrobras. São os efeitos colaterais da capa criminosa que a Veja deu às vésperas das eleições. Os manifestantes fora dilmda Paulista tomaram aquilo como uma verdade indiscutível. Isso mostra que é necessário aplicar uma punição exemplar à Veja. É uma tentativa de golpe branco fazer o que a revista fez – sem uma única prova – em cima de uma eleição tão disputada. A Veja tem que enfrentar – rapidamente — as consequências do que fez. Ou vamos esperar que um lunático, inspirado pela revista, comece a matar petistas? A mídia está também por trás do disparatado pedido de auditoria de votos feito pelo PSDB. Os tucanos só fizeram isso por saberem que têm as costas quentes com a imprensa. Ou então se refreariam antes de atentar contra as instituições com um pedido tão esdrúxulo. As dúvidas fora dilnão resistem a um minuto de reflexão. Considere. O Datafolha deu, na véspera, 52% a 48% para Dilma. A diferença ficou nos decimais: 51,64% versus 48,36%. A desconfiança nasce também, assinale-se, de trapaças do PSDB não devidamente cobradas pela mídia. Aécio usou dados enganosos de uma pesquisa do instituto Veritás que lhe dava ampla vantagem em Minas, onde perdera no primeiro turno. O dono do Veritás avisou que era um erro, ou crime, utilizar os números que Aécio brandiu publicamente, nos debates, contra Dilma. O estatístico também. E mesmo assim Aécio não se deteve. O que pensa um fanático antipetista quando vê uma coisa dessas? Num dia, numa pesquisa, seu candidato está ganhando amplamente em Minas. No dia foradiseguinte, no mundo real, o candidato perde. Farsa, é a conclusão. E a frustração se converte em raiva depois que analistas afirmam que Aécio perdeu a presidência por causa dos votos que não teve em Minas. Manifestações como a de hoje mostram como a sociedade está sendo agredida por uma mídia interessada apenas na manutenção de seus formidáveis privilégios. Pensava-se que o ataque da mídia à democracia cessaria com as eleições. Não cessou. É hora de o Estado proteger a democracia, antes que seja tarde demais. 

fonte: diáriodocentrodomundo

 

Nascidos na laje.

Posted in AMBIENTALISMO, MUNDO, OPINIÃO, SUSTENTABILIDADE, VIDA URBANA, VIVER com QUALIDADE by dibarbosa on 28 de outubro de 2014

Aqui está uma excelente definição do perfil do site UrbsMagna na visão de uma das maiores blogueiras do planeta, a cubana Yoani Sánchez.

Geração Y em Português

YOANI SÁNCHEZ, La Habana | 28/10/2014

Fotograma de Madagascar(1994) filme dirigido por Fernando Pérez

Há cidades que tem uma vida subterrânea. Urbes com uma realidade que literalmente acontece sob o solo. Metrôs, túneis e porões… A vitória humana de ter conquistado centímetros da pedra. Havana não, Havana é uma cidade de superfície, pouco subterrânea. Contudo, sobre os tetos das casas, nos lajes mais impensáveis, levantaram casinhas, banheiros, cercados de porcos e gaiolas de pomba. Como se por cima dos tetos tudo fosse possível, inalcançável.

Ignácio tem a antena parabólica sobre a laje de um vizinho, está escondida sob uma parreira que dá uvas raquíticas e ácidas. A poucos metros alguém fez uma gaiola para prender cães de briga, que durante o dia buscam a sombra sedentos e chateados. Do outro lado da rua vários membros de uma família quebraram o muro que os ligava ao teto de uma velha oficina estatal. Fizeram sobre o local abandonado um terraço e um quarto…

Ver o post original 118 mais palavras

Eleições Brasil: trocando o incerto pelo duvidoso

Karl Darwin e Charles Marx facebookA uma semana das eleições os brasileiros estão cada vez mais confusos. Os debates entre os presidenciáveis não apresentam mais nenhuma proposta significativa tendo se transformado em um palanque de troca de acusações. Revelações medonhas surgem na internet, mas assuntos do gênero sempre estiveram lá. Basta pesquisar.

O eleitor curioso irá encontrar uma infinidade de blogs que noticiam toda a imoralidade dos candidatos. É preciso muito cuidado na interpretação, uma vez que a imprensa oficial limita-se a apresentar apenas as resultantes do diálogo de ambos. É antiético publicar sobre alguém aquilo que não foi proferido por este alguém. Mas alguns políticos até tentam apagar o passado por meios judiciais e, em vista disso, devo ser solidário para com aqueles que temem pelo futuro do país e apresento meu manifesto de indignação e pavor. Há aproximadamente um ano, o gigante começou a se incomodar dando sinais de que seu sono não transcorria bem, se revirando na cama sem conseguir acordar de seu pesadelo. Mas não, o gigante ainda não acordou. O Brasil não acordou e a mudança está longe de chegar aos lares brasileiros. Não foi à toa que mais de 38 milhões de votos não foram computados positivamente no primeiro turno das eleições de 2014. Tais eleitores invalidaram seus votos pois sabem do tamanho do problema que enfrentamos: temos, por uma absurda obrigatoriedade, que participar da escolha de um presidente que irá nos conduzir para um futuro incógnito. Um tem propostas incertas, outro é duvidoso moralmente falando. Não podemos nos esquecer que questões morais de tal gênero já nos forçaram a legitimar um impeachment por aqui. Não vivemos mais em uma ditadura. Os mais jovens nem sabem o que isso significa. Os mais velhos conquistaram as Eleições Diretas e. por enquanto, a legislação ainda nos obriga à ser livres e ter essa liberdade de escolha nas eleições. Se estamos dentro desta lei, podemos estendê-la à todas as datas e não somente a cada quatro anos. Uma comissão popular, que indique os candidatos certos, é bem vinda. Pelo menos enquanto temos esta obrigação eleitoral e o facebook.

Darwin, Marx e o colapso evolutivo

Posted in Diálogos entre Marx e Darwin, INTERNET, OPINIÃO by dibarbosa on 16 de outubro de 2014

chinêsinglêsrusso

Karl Darwin e Charles Marx

Digitar no teclado de um computador é algo ainda relativamente recente. Não possui a mesma representação quase fisiológica da escrita manual com papel e caneta, por mais que estes dois objetos tenham evoluído e, em especial, este último.  Na primeira forma de externalização há a tentativa da expressão exata do que vai no pensamento e/ou na alma com requisitos de alguma habilidade extra, uma vez que tecnologias atuais estão distanciadas a apenas alguns cliques e são disponibilizadas em páginas de internet amplamente acessíveis, o que pode atrapalhar a concentração necessária para que as portas da percepção se mantenham no foco da  ideia original. E talvez eu tenha tal temor por não ser um dos filhos desta evolução informatizada, tendo nascido em uma época em que até mesmo os telefones celulares eram produtos de ficção. Há muito perdi o contato com o método mas imagino que o discurso seja o mesmo visto que o sentimento continua dentro do coração do homem. A propósito, as emoções e suas peculiaridades foram preservadas como alvos de exercício do capital (sim, aquele de Marx), mas esta percepção não convém ser comentada ainda. Temo agora, tão somente, o fato do discernir focado, sem distrações e evasivas que possam comprometer o desenvolvimento de uma ideia. Seria possível efetuar a construção de tal literatura não sendo um gênio? É fato que, antes de iniciar a elaboração deste tema, muni-me de papel e caneta como nos bons tempos do cólera cultural com o qual as pessoas eram acometidas. Pergunto-me (à vocês também) se eu teria chegado ao fim de uma página sendo o Word o instrumento principal ao invés deste caderno velho e desta caneta encontrada em uma caixa com mais de cinquenta outras. Creio que sei a resposta pois não levou muito tempo para chegar até aqui, neste fim de página do caderno. Minha intenção é comparar a performance fisiológica com a tecnológica e entender melhor este efeito, pois tenho andado preocupado com o poder destas ferramentas da nova comunicação das duas últimas gerações. A velocidade com que o aperfeiçoamento da web modifica a estrutura mental dos jovens me impressiona e decepciona. Minha filha tem 12 anos de idade e já leu A Revolução Dos Bichos, de George Orwell. Não tenho sido muito tolerante com programas de TV e conteúdos fúteis. Penso que há cem anos atrás o homem ainda tinha a possibilidade de se tornar um gênio qualquer, mas hoje o vejo desacreditado como um porco que consome sua lavagem diária e não contribui em nada com a evolução da espécie. Darwin entraria em depressão diante deste colapso evolutivo. É muito difícil entender qual rumo a humanidade tomará. Lembrando que ainda estou no caderno velho e que, possivelmente, esta caneta durará mil anos quando eu a largar. Tenho essa impressão. 

Crivella: “Se Pezão está na frente, então sou o primeiro”

Posted in ELEIÇÕES 2014, OPINIÃO, POLÍTICA, RELIGIÃO by dibarbosa on 16 de outubro de 2014

7“Se nas pesquisas estou em segundo, isso quer dizer que estou em primeiro”, é o absurdo dito por Crivella, no Rio de Janeiro, sobre a vantagem de Pezão divulgada pelo DataFolha e que prenuncia o resultado do segundo turno.

O Bispo Senador Marcelo Crivella está com 44% das intenções de voto contra 56% de Luiz Fernando Pezão, segundo o DataFolha, o que levou o religioso político a blasfemar sobre a pesquisa realizada pelo instituto indagando tanto sobre a veracidade do relatório quanto sobre a credibilidade dos profissionais que o elaboraram. Isso não é nada bonito para um hábil orador da Igreja Universal  que, fielmente, já arrebanhou multidões para seu tio e ex-patrão Bispo Edir Macedo. O religioso, que já esteve na África implantando filiais da IURD e levando a palavra do Senhor para seu povo por 10 anos, não está convencendo a maioria dos cariocas e fluminenses. Mas a desesperada afirmação impensada faz parte de um processo pré-eleitoral que já conhecemos muito bem. Quando os políticos estão ameaçados, começam a improvisar com respostas repentistas e assim correm o risco de tropeçar e demonstrar sua real personalidade. Mas no caso de Crivella há uma questão mais afortunada de apelação para sua defesa através do álibi de uma possessão momentânea do demônio que, certamente, já deve ter sido expulso por seus mais fiéis e experientes obreiros.

A ‘Constituinte já’ e o muro de silêncio da nossa mídia

Posted in BRASIL, DIREITOS HUMANOS, ELEIÇÕES 2014, OPINIÃO, POLÍTICA, PROTESTOS NO BRASIL by dibarbosa on 9 de setembro de 2014

ConstituinteA grande maioria dos brasileiros não sabe: entre os dias 01 e 08 de setembro de 2014, aconteceu um grande Plebiscito da Reforma Política aqui no Brasil (vide site Plebiscito Constituinte), uma grande campanha de mobilização popular realizada com urnas em várias cidades bem como votações online, mas a grande mídia, estranhamente, nada divulgou sobre um tema tão importante.

“Você é a favor de uma Constituinte exclusiva e soberana sobre o sistema político?” 

Esta foi a argumentação motora do Grande e Popular Plebiscito da Reforma Política que começou a ser preparado no final de 2013 e que foi organizado por 470 entidades públicas e privadas entre universidades, sindicatos e ONGs, além de outras. Participaram das votações os principais presidenciáveis atuais: Dilma Rousseff, Marina Silva e Aécio Neves , além de atores que tiveram um papel importante em impulsionar uma movimentação deste naipe. plebiscito5094Com previsão para realização até o dia 7 de setembro, o plebiscito foi prorrogado até 23:59h do dia 8 de setembro último, visto que o site ficou sobrecarregado. Foi realizado em todos os estados da federação sob consulta informal, uma vez que apenas o Congresso Nacional tem o poder e direito de propor plebiscitos oficiais. A idéia dos que lutam por uma reforma política é criar uma Constituinte sobre o sistema político com um grupo específico para definir questões como financiamento de campanhas, paridade de gênero no Congresso, Democracia Participante e também permitir que iniciativas populares criem plebiscitos oficiais. As urnas foram espalhadas por vários cantos das cidades brasileiras. Somente em Curitiba foram 100 urnas em vários bairros. Em São Paulo,  mais de 200. No Rio de Janeiro, apenas 27 (consulte no site.).

Durante a coleta de votos para a criação da Constituinte, também foi realizada a coleta de assinaturas para o Projeto de Lei organizado pela Coalizão pela Reforma Política Democrática e Eleições Limpas. O projeto é de iniciativa popular e já está tramitando no Congresso Nacional, com apoio de alguns parlamentares e cerca de 400 mil votos. O objetivo é chegar a 1,5 milhão. Existem duas iniciativas da sociedade civil para uma reforma policia democrática: a busca por uma Constituinte, onde participam entidades como a Une, o MST, a CUT, e a Coalizão, onde também está presente a Une a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e o Movimento de Combate a Corrupção Eleitoral (MCCE), que organizou o Ficha Limpa. Essas mobilizações utilizaram a semana da pátria como uma semana de mobilização. Uma grande mobilização popular pode conseguir, junto ao governo, uma aprovação para criar a Assembleia Constituinte e esperar que isso gere outros frutos: Em 2002, um plebiscito popular conseguiu 10 milhões de votos contra a adesão do Brasil  à Área de Livre Comércio das Américas (Alca). Na ocasião, 98% disseram não à assinatura do acordo, descartado em 2005 pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A ideia de uma reforma política tomou força depois das jornadas de junho de 2013.Na época, a proposta de criação de uma assembleia constituinte exclusiva para a reforma política  foi feita pela presidente Dilma, junto com outras ideias de pactos com a população, mas não foi para frente. Essa ideia vem sendo debatida desde 2007, mas duas Propostas de Emenda Constitucionais (PEC) tratando sobre o tema foram arquivadas pelo Congresso Nacional. Para Ricardo Durigan, cientista política e assessor político da Coalizão, o plebiscito é importante como consulta popular simbólica. “O plebiscito tem um caráter pedagógico e de conscientização”, comenta ele dizendo que a estratégia da Coalizão é implementar o projeto de lei que pede diversas mudanças, como a própria paridade de gênero,Afastamento definitivo do dinheiro de empresas das eleições, eleições proporcionais em dois turnos; participação da sociedade em decisões nacionais importantes, Seu voto elegendo apenas o candidato em quem você votou. Esse projeto já está tramitando no Congresso Nacional “O conteúdo foi feito de uma tal forma para não mexer na constituição, vamos pela forma mais rápida simples e direta”, comenta Durigan sobre o PL. Ele relembra ainda que a OAB é membro da Coalizão na criação desse projeto, assim como apresentou uma ação de inconstitucionalidade contra a doação de empresas para campanhas, um dos pontos que o PL defende. “Empresas não tem poder de voto, se ela não pode votar, por que ela pode financiar campanhas políticas e determinar quem vai ganhar?”, questiona.

Dom Pedro: da INDEPENDÊNCIA ao IMPEACHMENT

Posted in BRASIL, ECONOMIA, GEOGRAFIA, HISTÓRIA, MUNDO, OPINIÃO by dibarbosa on 7 de setembro de 2014

atualização set /2016

fb_img_1473277461357Pedro, aos 22 anos, ainda era um príncipe quando se tornou regente do Brasil e aos 23 o libertou de Portugal para sempre. Após isso, há quase dois séculos, tentamos amadurecer.

Toda a Terra pensante  bem sabe que brasileiro tem a cognição limitada.  De fato, ainda não amadurecemos politicamente. Nas eleições presidenciais de 2014, somente no primeiro turno, o eleitorado brasileiro desperdiçou quase 39 milhões de votos entre abstenções, brancos e nulos.

Por que duas centenas de anos não são suficientes para organizar moral e politicamente um país livre? Será culpa dos …jovens vadios de Lisboa que percorriam o Ribeira roubando carteiras e cometendo outros delitos…? Os bandidos portugueses realmente foram os primeiros colonos enviados para cá excluídos do Reino de Portugal por João III. É bem verdade que nossos ancestrais eram gente desonesta – criminosos metropolitanos condenados que, à partir de 1535, eram enviados nos navios com destino ao Brasil.

Mas, por conta disso, não se pode dizer que somos os herdeiros genéticos e morais daquele povo. Algo que me enche de vergonha é saber que tais detalhes históricos de fato aconteceram em nosso berço esplêndido. Este minucioso conhecimento, se nos ruboriza, é suficiente para motivar-nos a virar este jogo, o que já deveria ter acontecido há décadas e décadas atrás aqui mesmo no “novo mundo”. Como exemplo contextual observemos os EUA, também pertencentes a este novo mundo. 

Toda a sua supremacia se desenvolveu no mesmo espaço de tempo independente que o nosso. Um outro exemplo de superação muito mais recente está na Alemanha com sua política atual originada de um milagre econômico pós-guerra subsequente à derrota de Adolf Hitler e de toda sua imoralidade nazista. Em ambos os casos a progressão econômica e social foi fortalecida pela moral e pelo civismo de seu povo. Quanto a nós, de fato estamos bem atrasados em se comparando com tais possibilidades.

Querem melhores exemplos de que qualquer povo de qualquer nação pode determinar e transformar definitivamente o futuro de um Estado? Pois é. Com quantos motivos poderemos comemorar a independência do Brasil nos feriados de 7 de setembro? Bem, as eleições se foram e racharam o país ao meio entre muitas dúvidas dos eleitores de ambas os lados. O resultado: um golpe parlamentar que teve ajuda inicial da parcela do povo derrotado.

Mas o que  falta a este mesmo povo: precisam organizar muito bem sua memória política com o fim de evitar equívocos como estamos presenciando desde as primeiras semanas pós-eleições. Sempre tivemos tudo para ser uma grande nação, que, a propósito, está despedaçada nas várias Regiões geográficas.

Parece que a tão comentada globalização de tempos atrás foi mal utilizada, em nosso próprio território, intencionalmente por ilusionistas da política nacional para afastar-nos da verdade e isolá-los de nossa participação. Precisamos nos organizar melhor. Não com a baderna vista ultimamente. Precisamos de líderes populares que, de fato, REPENSEM O BRASIL.

Descriminalização do consumo de drogas no debate eleitoral do Brasil

Posted in BRASIL, ELEIÇÕES 2014, OPINIÃO, POLÍTICA by dibarbosa on 30 de agosto de 2014
presidenciáveis

Da esquerda para a direita, os candidatos à presidência do Brasil, Marina Silva do PSB, Aécio Neves do PSDB, o moderador do debate e Dilma Rousseff do PT, atual presidente.

As vozes defensoras da descriminalização  do  consumo  de drogas  ganham força antes das eleições presidenciais de outubro no Brasil, onde um número crescente de políticos, pesquisadores e cidadãos afirmam que o modelo atual de combate às drogas agrava a violência. Apesar dos três candidatos favoritos tenham se manifestado claramente contrários à despenalização, outros aspirantes a defenderam em debate realizado esta semana e citaram como justificava as estatísticas da violência que acadêmicos usam para pedir a troca do modelo de combate às drogas. Segundo tais dados divulgados pela ONU em abril, os níveis de violência no Brasil não registraram grandes mudanças nos últimos 30 anos. Dilma Rousseff, Marina Silva e Aécio Neves opõem-se à despenalização com diferentes argumentos. Mas Eduardo Jorge, candidato pelo Partido Verde, é um dos que defendem a legalização da maconha para uso medicinal e recreativo com a finalidade de reduzir os níveis de violência e melhorar a coesão social brasileira. Como ele, Luciana Genro, do PSOL, opina que a política antidrogas “se transformou numa guerra contra os pobres“. Mauro Iasi, do PCB, agrega que “quem acaba sofrendo com a criminalização é, de fato, a população pobre“.Voltando à Genro, ela defendeu a necessidade de “romper o tabú sobre as drogas” e levar mais informações às escolas sobre os riscos associados ao consumo. Dados do Ministério da Saúde revelam que a violência relacionada vitimou 40.692 brasileiros no período entre 2006 e 2010. “Devemos abordar a perspectiva da saúde em lugar da criminalização e da persuasão militarizada“, disse Alessandra Fontana Oberling, antropóloga especializada em violência e drogas, durante uma reunião entre especialistas realizada no Instituto Igarapé – Rio de Janeiro. Ela participa junto a vários especialistas da Rede Pense Livre, Uma iniciativa que será levada ao congresso após as eleições contendo alternativas para implementação de uma “política de drogas que funcione e dê protagonismo à informação em substituição ao medo para combater o consumo abusivo de drogas e o crime organizado“. João Pedro Pádua, advogado especializado em crimes relacionados com substâncias ilícitas assegurou que em Portugal e no estado americano do Colorado houve grandes avanços após a descriminalização do consumo de entorpecentes. “O consumo não aumentou e o índice de crimes relacionados ao narcotráfico foi reduzido” disse. Ele também mencionou exemplos de projetos de despenalização do consumo de drogas em países vizinhos ao Brasil e a recente legalização da maconha no Uruguai. “A única experiência exitante até agora em matéria de política de drogas no Brasil foi a regulação do tabaco em 1980. Desde então se reduziu em 65% o consumo per capita sem que fosse acionado nenhum órgão judicial e sem criminalização. A arrecadação de impostos foi melhorada e a área de convivência entre fumantes e não fumantes foi delimitada, tudo sem disparar nenhum tiro” disse Pádua. Outro problema relacionado às drogas no Brasil é o colapso do sistema penitenciário. Apesar da legislação de 2006 que põe fim ao encarceramento do consumidor de drogas, dados oficiais mostram que desde então a população carcerária do Brasil oi multiplicada por três. O número de presos supera hoje em 30 por cento a capacidade carcerária do país, segundo dados do Ministério da Justiça. As cifras também revelam que 70 por cento dos condenados pela lei de drogas de 2006 eram portadores de pequenas quantidades, não tinham armas e não apresentavam indícios de relação com o crime organizado. A violência e a luta contra as drogas são duas grandes preocupações no Brasil, onde 56 por cento dos assassinatos está ligado diretamente ao narcotráfico ceifando cerca de 50.000 vidas por ano, em sua maioria pobres entre 15 e 25 anos, de acordo com uma investigação dos periodistas brasileiros William Ferraz, Kaio Diniz e Vanderson Freizer. 

Gene Simmons diz a pessoas com depressão: “Matem-se”

Posted in EUA, MÚSICA, OPINIÃO, SAÚDE by dibarbosa on 30 de agosto de 2014

Fox's "American Idol" XIII FinalePoucos dias depois de dizer que imigrantes dos EUA deveriam aprender o ‘maldito inglês’ durante uma aparição ao vivo, Gene Simmons, o baixista do Kiss está nas manchetes mais uma vez para proferir comentários profundamente ofensivos sobre dependência de drogas e depressão durante uma entrevista a um site de música americano. Em 31 de julho, durante outra entrevista, Simmons disse que não se dava bem com viciados em droga que têm uma nuvem negra sobre a cabeça e que se julgam vítimas de tudo. Leiam suas próprias palavras:

Os viciados em drogas e alcoólatras dizem sempre coisas do tipo: “O mundo é um lugar cruel”, “Minha mãe estava em um campo de concentração na Alemanha nazista”, e eu não quero ouvir porra nenhuma sobre “como o mundo é um lugar difícil” Uma mãe se levanta todos os dias, cheira suas rosas e ama viver, mas tem um filho de 20 anos que sempre diz: “Eu estou deprimido e moro em Seattle” Foda-se, e mate-se em seguida!

Eu nunca entendo´os babacas que sobem em cima de um edifício e grita: “É isso aí, eu não aguento mais, eu vou pular”. Eu sou o cara que grita: “Pula logo!” Ele só pode estar brincando. Por que está anunciando isso? Que ele cale a boca, tenha um pouco de dignidade e salte logo, pois tem uma multidão pra ver!

 
 

Os comentários de Simmons provocaram furor nos fãs. Durante um recente episódio de um programa de rádio, um outro baixista chamado Sixx de uma banda americana criticou o imortal do Kiss por suas palavras dizendo: “Eu gosto de Gene mas não nesta situação, pois um garoto de 20 anos ouve ou lê isso e diz: Quer saber? Ele está certo e eu deveria me matar“. Sixx acrescentou: “Para as pessoas que estão deprimidas, não é uma saída. Há muitas, muitas maneiras de se sair de uma situação… Não dêem ouvidos a pessoas que não sabem o que estão falando.”

TIRIRICA, Roberto Carlos e Brasília – Campanhas ainda apelam para ingenuidade do eleitorado

Posted in BRASIL, OPINIÃO, POLÍTICA by dibarbosa on 28 de agosto de 2014

bkifjAté compararam Tiririca com Geraldo Vandré. Só podem estar brincando ou são cabos eleitorais do Deputado. Eu, você e todos nós somos os verdadeiros palhaços do Brasil.

Certamente o eleitor mais jovem desconhece o nome e a figura de Geraldo Vandré na política nacional. Durante a passagem da ditadura militar, foi o autor dos versos convocatórios de Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores que pregavam a igualdade e a força política do povo brasileiro, virtudes através das quais o compositor clamava por uma atitude conjunta dos brasileiros para dar um basta em toda a situação nem um pouco democrática em que estávamos atolados na época. E a não ser pela vitória das Eleições Diretas Já 16 anos depois, que apagou um pouco a memória do golpe militar e todos os seus impiedosos horrores ditatoriais, o Brasil ainda não se distanciou tanto assim de velhos problemas como por exemplo a corrupção crônica que assola a nossa economia desde os primórdios do descobrimento, mesmo com toda a democratização gradativa a que nos submetemos desde então. A verdade é que continuamos a ser os mesmos palhaços de sempre, inertes e incapazes de agir, à espera de que outro o faça. Esperamos também por um representante que impacte contrastantemente no cenário festivo da política tupiniquim. Mas estamos muito ocupados em assegurar nossos lugares no espaço, como animais demarcando seus territórios. Com essas atitudes egoístas acabamos por nos distanciar das questões essenciais ao nosso próprio desenvolvimento dando espaço à atuação de oportunistas preocupados apenas em tirar proveito de nossa distração. Tiririca é o perfeito exemplo do que digo pois seu ambiente de comédia somado ao seu inegável talento para a palhaçada, propicia enganosamente o suspiro político que muitas pessoas necessitam, e o que demeritamente lhe rendeu uma assustadora vitória no passado recente tendo sido o deputado mais votado em 2010. Não questiono sua honestidade como um homem público mas condeno severamente seus métodos para atrair votos, visto que são uma apelação covarde que oculta sua realidade de campanha e explora os sentimentos de uma classe eleitoreira humilde e cansada. Defendo que, neste caso, a liberdade excessiva também pode ameaçar o nosso universo de conquistas democráticas que, paradoxalmente e fazendo uma pequena comparação ao universo gerado pelo Big Bang, também originou-se de uma explosão, só que de emoções de patriotismo que interromperam abruptamente todo um processo que travou o nosso desenvolvimento durante algumas dezenas de anos. Por isso, o que tenho a pedir, Sr.Francisco Everardo Oliveira Silva, conhecido pelo nome artístico de Tiririca, é que tire esta fantasia ridícula e ponha seu terno e gravata de gabinete porque uma coisa não combina com outra. Mermo porque Panis Et Circencis jamais nutrirão as gerações futuras que começaram a se desenvolver há algum tempo. Como um homem experiente, se é que conseguiu enxergar alguma movimentação em nossa jurisdição, sugiro que preste mais atenção ao palco federal e lembre-se que recentemente milhares de jovens estavam nas ruas a gritar: O gigante acordou

O futuro da energia renovável

Posted in AMBIENTALISMO, CIÊNCIA, GEOGRAFIA, MUNDO, OPINIÃO, SUSTENTABILIDADE by dibarbosa on 5 de agosto de 2014
 

Solar-Panel-InstallationO mundo entrou em uma nova era de energia marcado pela preocupação com a segurança energética, as alterações climáticas e o acesso dos pobres aos serviços energéticos modernos. O caminho da energia atual não é sustentável. O dióxido de carbono proveniente da produção e utilização de energia representa cerca de 65% das emissões globais e com as políticas atuais é estimado um aumento de um terço em 2020. A Agência Internacional de Energia (AIE) estima que a demanda mundial de energia vai aumentar em 45% até 2030, com países em desenvolvimento responsáveis ​​por 87% desse aumento. A energia renovável mantém a promessa de um mundo de energia de baixo carbono. Por sua vez, a segurança energética, as alterações climáticas e o acesso universal a serviços energéticos modernos serão os três principais motores de um futuro brilhante para a energia renovável. earth_candleUma década atrás, o futuro da energia renovável parecia muito diferente do que é hoje. Ninguém imaginava, então, que 70% da nova capacidade energética adicionada na Europa seria renovável, que é o que aconteceu em 2011. Ninguém imaginava que a China iria de um jogador menor a líder global em apenas seis anos, ou que os países em desenvolvimento se tornariam lar de mais de um terço da capacidade de energia eólica global.
Durante a última década, a evolução das políticas e mercados para a energia renovável tem sido notável. Investimento global em capacidade de energia renovável atingiu um recorde de US$320 bi em 2011 em comparação com apenas US$40 bi em 2004, e superou o investimento em combustíveis fósseis e energia nuclear combinado. Pelo menos 144 países agora têm metas de energia renovável e 138 países têm políticas de apoio às energias renováveis; mais de 22% da produção de energia do mundo agora vem de fontes renováveis. Medidas de longo prazo para garantir a segurança nacional esforçam-se para reduzir a dependência de combustíveis importados, reduzindo a demanda por meio da conservação e do desenvolvimento de fontes domésticas de energia.
O que antes parecia um sonho está se tornando realidade – com as energias renováveis ​​do mundo agora se pode vislumbrar a perspectiva de uma economia em grande parte dependente da energia limpa em abundância, doméstica e acessível. Nos países em desenvolvimento os telefones celulares ultrapassaram as linhas fixas ao mesmo tempo em que a energia fotovoltaica começa a ultrapassar os combustíveis fósseis. De acordo com The Economist, em vários países que utilizam eletricidade gerada por uma rede de energia solar fotovoltaica já têm seus preços competitivos com o carvão e o gás natural. No fim de 2013 o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) divulgou seu 5º relatório de avaliação que mostra claramente que os impactos do clima estão se desenvolvendo em todo o mundo, afetando todos os continentes e oceanos, com crescentes riscos particularmente para os países em desenvolvimento. Muitos acreditam agora que as mudanças climáticas, que já foram consideradas um problema para um futuro distante, estão rondando e se aproximando rapidamente do presente. Problemas decorrentes tendem a piorar substancialmente, a menos que as emissões de CO2 sejam controladas em tempo hábil a fim de limitar o aumento da temperatura neste século para menos de 2 graus Celsius. De acordo com o IPCC, manter o aumento da temperatura abaixo dos 2 graus exigirá novos padrões de investimentos bem como a adoção de uma economia de baixo carbono, com uma participação muito maior de energia eólica e solar. E a energia renovável também deverá desempenhar um papel significativo na melhoria do acesso dos pobres aos serviços energéticos modernos pois mais de 1,3 bilhão de pessoas não têm acesso à eletricidade. Reconhecendo a importância e a urgência de tais desafios, o secretário-geral da ONU, anunciou em 2011 a “Energia Sustentável para Todos”. A iniciativa visa mobilizar a ação global em apoio a três objetivos vinculados, a serem alcançados até 2030: 1) Garantir o acesso universal a serviços energéticos modernos; 2) Dobrar a taxa global de melhoria em eficiência energética; e 3) A duplicação da quota das energias renováveis ​​no cabaz energético global. A iniciativa já está operacional e a Década da Energia Sustentável para Todos foi lançada em 9 de abril deste ano pela Assembleia Geral da ONU. Fundamental para garantir um futuro sustentável, acessível e amigável ao clima para esta e outras gerações futuras, a ideia é incentivar a capacidade, em indivíduos e instituições, para a administração da geração e utilização de energia. Somente através da mudança impactante e em grande escala para a energia renovável é que o mundo entrará neste ciclo virtuoso. 

fonte: unfoundationblog.org

Mohamed T. El-Ashry
MohamedElAshry

%d blogueiros gostam disto: