Urbs Magna

Fome e Poesia

Posted in ARTE, PENSAMENTO, poesia by dibarbosa on 25 de maio de 2015

fome e poesiaHá, neste mundo, alguma alma etérea o bastante capaz de se desenlaçar do objeto físico e perceber que há poesia (se é que esta ainda resta) em todas as coisas e em qualquer tempo que desejar?

Seria mais sensato mudar o foco da argumentação, afinal a sensação de poesia advém de uma percepção, em allegro, de substâncias invisíveis aos olhos mas percebidas pelo espírito e benéficas à ele. Se não temos tal faculdade – a de um sentido evoluído que nos fornece uma pluralidade de visões mentais -, seremos, ainda, aqueles mesmos primatas primordiais que inauguraram a humanidade; aqueles que desconheciam este poderoso sistema social do qual fazemos parte – cada qual com sua restrita função – e que, em seu predadorismo, se limitavam a ter sensações de fome, sede, frio e dor sendo dependentes diretos dos alimentos fixos nas vegetações ou em movimento livre pelos ares, campos, rios ou mares de seu habitat.

Basicamente, todos tinham o mesmo papel: caçar; sobreviver. E a partir de algum momento em que isso ficou muito fácil, a imaginação começou a trabalhar os cérebros hominídeos. Desde então, evoluímos e fizemos a história como a conhecemos. Muitos de nossa raça se tornaram célebres; notórios. E toda a potencialidade infinita e inimaginável do ser humano fez surgir culturas diversificadas entre os povos da Terra. Parecia que não havia limitações para a criatividade. Toda a arte, como a conhecemos, é o próprio enredo desta evolução.

Mas o tempo avançou tanto e tudo se transformou. Não temos que caçar; sujar nossas mãos com sangue, e quando comemos um hambúrguer temos a sensação de que é algo saído de uma máquina que nada tem a ver com nossa fome. É status puro. A desnutrição é um assunto sério em muitos corpos sociais, mas para muitas sociedades privilegiadas não tem o menor sentido. Pois aí está! Um sentido é substituído por outro tão logo o anterior esteja saciado de nosso desejo. E se o estômago não padece, seu dono nem se apercebe de sua existência fisiológica dando vaga, nas suas sensações mentais, aos sentidos criados na esfera das coisas amorfas, intácteis.

Tagged with: , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: