Urbs Magna

Ego: o nosso maior inimigo

Posted in CIÊNCIA, FILOSOFIA, OPINIÃO, PENSAMENTO by dibarbosa on 28 de dezembro de 2014

“Conhece-te a ti mesmo e conhecerás os deuses e o universo”
Sócrates – 469 a.C. – 399 a.C.

atualização 08nov16 115:42GMT

1 - sócrates

Sócrates

2 - Platão

Platão

Quando Platão (428 a. C. – 347 a. C.) manuscreveu e eternizou suas escrituras através de seus diálogos platônicos com origem na dialética socrática, onde o filósofo grego Sócrates, seu mestre, é apresentado ao mundo como o autor da frase que se transformou em uma das máximas mais conhecidas no mundo moderno, ele não foi capaz de imaginar quão grandiosa seria a repercussão daquela ideia, genuinamente verídica, ao redor do mundo, o que influenciaria diretamente na análise do comportamento de toda a raça humana chegando ao ponto de se enraizar definitivamente na origem da própria filosofia. Mais tarde, e com base neste princípio, nossa moderna teoria psicanalítica nos apresentou um modelo triádico da consciência ao subdividir o aparelho psíquico em três estruturas fundamentais: Id, Ego e Superego. O primeiro, concentra a libido onde se formam os instintos, os impulsos e os desejos inconscientes. Em seguida, dando origem ao adjetivo egoísta, o Ego é o estruturador do campo da harmonização dos desejos do Id após uma consulta ao banco de dados do Superego quando acontece a racionalização das situações inesperadas do primeiro em contraste com o último, em uma significativa e marcante avaliação dos prós e contras, sendo selecionadas – tão somente e, por este motivo, perigosamente – as impressões que geram vantagens, quer sejam relacionadas com o prazer em si ou mesmo com a possibilidade da utilização de qualquer argumento como trunfo a ser utilizado em alguma eventual situação visando, também, o bem estar. Por fim, concentrando a ideia do bem e do mal, o Superego dá  a moral da história. É o conteúdo vivido e assimilado pela mente do homem e que contém as premissas para qualquer boa avaliação, sendo baseada, quase que completamente, nos ensinamentos de berço dos pais para os filhos, em um momento inicial da existência quando pode ocorrer a criação de fantasmas traumatizantes que assombrarão o indivíduo por um bom tempo.

society_of_the_spectacle

Sociedade do espetáculo

Smiling Group of Professionals

Profissionais Corporativos

freud1

Sigmund Freud é considerado o pai da psicanálise

Mas o que sabemos sobre tal assunto que, aparentemente, é de uma complexidade cognitiva tão tremenda que quando nos deparamos com prefácios introdutivos mais técnicos do que o habitual, nossas mentes já começam a desistir de insistir em sua leitura e compreensão? A verdade é que, quase que generalizadamente, os indivíduos de uma sociedade não conhecem suas verdadeiras essências como indivíduos fora dela. Isso se dá, especialmente, porque vivemos neste mundo moderno com todos os processos facilitados por uma máquina social que contém um esquema de funcionamento grandiosamente complexo que vem se transformando e se aperfeiçoando com o passar dos tempos com um objetivo geograficamente reconhecido de melhor garantir nossas necessidades diárias – especialmente as do âmbito alimentar de toda a população terráquea. A consequência é que não nos damos mais conta do que somos verdadeiramente e, com os adventos das redes sociais e dos programas televisivos que visam não só o entretenimento mas também a geração de consumidores para essa máquina, passamos a exercer o mesmo papel na sociedade que o vizinho do lado, e é exatamente aí que nos perdemos. Deixamos de conhecer nossa real identidade. Viver em harmonia com a nossa própria espécie requer transformações que podem, na maioria das vezes, inutilizar nossa verdadeira personalidade para sempre. E os psicólogos sabem disso. Nossa individualidade é corrompida e comprometida desde o momento inicial em que passamos a exercer nosso papel em uma corporação. Por um outro âmbito, o geral, isso não é ruim, pois o mundo não tem espaços para a imparidade e necessita da colaboração de todos nós para o funcionamento do aparelho social. Isso quer dizer que deixamos de praticar, no dia-a-dia, todo o conjunto descrito na tríade supracitada por questões de sobrevivência meramente física, sendo que o espírito se torna maculado pela agressão das correntes contrárias ao elemento individual. Por isso existe a necessidade de uma válvula de escape para cada pessoa, o que tem uma funcionalidade diferente para outra e assim por diante. As pessoas felizes e realizadas conseguem administrar a consciência de uma forma mais sábia que a média. Comprovadamente, nossa raça tem anseios encubados que atravessam gerações. O resultado disso é que, graças à nossa má administração da funcionalidade de nossa tríade, o Ego passou a ser observado como o principal causador da infelicidade humana passando a ser observado ao longo de anos e descrito, unanimemente, como o grande vilão disfarçado que, na maioria das vezes atrapalhou, ou tentou estragar, todos os nossos projetos mais promissores no decorrer de toda a nossa jornada até aqui. Segundo muitos especialistas no assunto, tudo poderia ter sido diferente, e ainda pode, a partir de nosso comprometimento com uma introspectiva capaz de revelar os deuses e o universo afirmados por Sócrates quando ele proferiu sua mais célebre sentença sugerindo ao homem que conhecesse a si mesmo em uma frase que pode ser entendida como, utilizando-se de um trocadilho interpretativo na mesma ordem, da seguinte forma:“Conhece e domina a tríade de tua psiquê e alcançarás o equilíbrio emocional, o conhecimento da técnica e, por fim, a sabedoria”. Demais, não é mesmo? Algo como atingir o nirvana. Agora veja, abaixo, o que os especialistas mais recentes disseram sobre a nocividade do Ego:

O Ego é o pior dos trapaceiros em quem podemos pensar porque não o vemos.(Dr. Yoav Dattilo)
O segundo maior golpe é “Eu sou você”. (Dr. Steven C. Hayes)
O problema é que o Ego se esconde no último lugar em que você procuraria: nele mesmo. Ao criarmos este inimigo externo imaginário criamos um inimigo de verdade para nós mesmos e isto se torna uma ameaça real para o Ego, mas isto é também criação do Ego. Neste sentido podemos dizer que cem por cento dos nossos inimigos externos são nossas criações. (Dr. Peter Fonagy)
Ele disfarça os pensamentos dele com os seus pensamentos; os sentimentos dele com os seus sentimentos. Você acha que é você. As pessoas não têm ideia que estamos numa prisão; não sabem que há um Ego; não conhecem a diferença.(Leonard Jacobson)
A necessidade das pessoas de proteger seus próprios Egos não conhece limites. Elas mentem, enganam, roubam, matam, fazem o que for preciso para manter o que chamamos de fronteiras do Ego. (Andrew Samuels)
Primeiro: é muito difícil para a mente aceitar que há algo além dela; algo mais valioso e mais capaz de discernir a verdade em si. (Dr. David Hawkins)
Na religião, o Ego se manifesta como o demônio e, claro, ninguém percebe o quanto o Ego é esperto porque ele criou o demônio para que você culpe o outro. Não existe nenhum inimigo externo, não importa o que a voz da tua cabeça te diga. Toda a percepção do inimigo é a projeção do Ego como inimigo. (Dr. Deepak Chopra)
Seu maior inimigo é sua própria percepção; sua ignorância; seu Ego. (Dr. Obadiah S. Harris)Harrisdeepak

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: