Urbs Magna

Viver no Rio é uma merda, mas é muito bom

Posted in AMBIENTALISMO, BRASIL, GEOGRAFIA, MUNDO by dibarbosa on 28 de dezembro de 2013

japonesFrancêsRussoAlemãoEspanholArábia SauditaInglês

1387922262_754197_1388187827_noticia_normal

CURTIR PÁGINA NO FACEBOOKcropped-logo-novo-urbsmagna100.png

Se você vier ao Rio de Janeiro vai se deparar com um fenômeno paradoxal: o primeiro destino turístico do Brasil, da América Latina e do hemisfério Sul não está devidamente preparado para receber turistas. Se dependesse unicamente dos questionáveis serviços que oferece a cidade maravilhosa, provavelmente não estaria no ranking dos locais mais visitados do mundo. Mas como quem nasce bonito e morre bonito, o Rio de Janeiro tem a sorte de ser um dos recantos do planeta abençoados com uma natureza que corta a respiração de quem chega aqui pela primeira vez. O Rio é, sem dúvida, uma das cinco cidades mais impactantes do planeta. Tem uma sofisticação natural e uma atmosfera vibrante que a convertem em um local único. Também é uma cidade que não deixa ninguém indiferente, que provoca reações extremas: “Ou ama ou odeia”, afirma o compositor carioca, Carlos Althier de Sousa Lemos Escobar, o Guinga, um dos grandes trovadores contemporâneos da capital fluminense. Mais explícito foi em sua época o maestro dos maestros, o compositor Antonio Carlos Jobim, que ao se referir a sua cidade natal disse com muita indolência: “Viver no Rio é uma merda, mas é muito bom”.

Efetivamente, quando o viajante desprevenido aterriza no aeroporto internacional Antonio Carlos Jobim (Galeão para os cariocas) se deparará  com a pouca eficácia do serviço de entrega de malas  e com umas instalações impróprias de uma futura sede da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos (isto deve melhorar depois da recente privatização do aeroporto). A ausência de um serviço de táxis organizado e de um tarifário oficial claramente definido e exposto ao público, representam o primeiro aviso aos navegantes: os preços no Rio representam um assunto sensível. No caso dos táxis, variam entre 200 reais (85 dólares) ou o mínimo que marque o taxímetro, dependendo do bairro de destino, da boa vontade do taxista e da capacidade negociadora do visitante. Uma vez na rota para a cidade, o turista atravessará uma extensão interminável de favelas, percorrerá vários bairros populares da zona norte, deixará o centro da cidade a sua esquerda e, depois de percorrer os 2.800 metros do Túnel Rebouças, penetrará em um universo totalmente diferente: uma fantástica panorâmica da lagoa Rodrigo de Freitas para dar as boas-vindas. É o sinal inequívoco de que já chegou à zona sul, a faixa turística composta principalmente pelos bairros praieiros de Copacabana, Ipanema e Leblon, onde as autoridades estão investindo grandes esforços face ao turismo internacional.

A segurança pública no Rio é um tema que preocupa a todos: tanto às autoridades, como aos cariocas e aos turistas. Desde que se lançou em 2008 a plausível estratégia de pacificação de favelas (hoje, mais de 200 comunidades estão ocupadas por Unidades de Polícia pacificadora – UPP), as cifras de criminalidade melhoraram substancialmente. No entanto, nos últimos meses detectou-se uma retomada de certos crimes, como os roubos a transeuntes, que propõem inquietantes perguntas. De qualquer forma, hoje se pode passear pelos corredores turísticos do Rio de Janeiro com uma certa tranquilidade, algo impensável há uma década.

Como em todos os grandes polos turísticos, no Rio existe um percurso inevitável para qualquer turista: a visita ao Cristo Redentor, ao Pão de Açúcar, ao estádio do Maracanã, um passeio pelo calçadão (um tipo de passeio marítimo) de Copacabana e pelo Jardim Botânico, uma tarde de compra em Ipanema e várias sessões intensivas de praia. Pela noite os scripts turísticos também recomendam fazer uma imersão no boêmio bairro da Lapa, onde o visitante pode se atrever a dar uns passos ao ritmo da samba em qualquer de suas variações. No entanto, o Rio de Janeiro é bem mais que esta lista de deveres para o visitante.

O Rio, por exemplo, é um café no silêncio do pátio da escola de artes visuais (EAV) do bucólico Parque Lage. O Rio é uma cerveja gelada em uma mesa da esplanada do Círculo Militar de Praia Vermelha, em frente a uma imponente e inusitada vista do Pão de Açúcar. O Rio é uma exposição no Centro Cultura Banco do Brasil (CCBB) ou um delicioso prato de cabrito assado no velho restaurante português Nova Capela, no coração de Lapa. O Rio também é um passeio pelo bairro de Santa Teresa ou, por que não, pela favela do Vidigal, de onde se pode desfrutar uma panorâmica do oceano Atlântico e das ilhas Cagarras que poderia fazer as vezes de antidepressivo. O Rio é o simples grito das crianças que jogam bola em uma favela anônima ou o cheiro dos premiados feijões que prepara David em seu botequim da comunidade de Chapéu Mangueira.

Uma grande novidade nesta cidade é o crescimento da oferta cultural, uma das contas pendentes que a distanciava anos luz de São Paulo. A recente abertura do Museu de Arte de Rio (MAR), da Casa Daros (filial da Fundación homônima suíça) e da Cidade das Artes, assinada pelo arquiteto francês Christian de Portzamparc, e a próxima inauguração do Museu da Manhã, do espanhol Santiago Calatrava, ou do Museu da Imagem e do Som (MIS) na praia de Copacabana, representam uma prova irrefutável de que algo mudou. O cartaz semanal de concertos, musicais, teatro ou exposições também é consideravelmente mais variada e interessante do que anos atrás.

O Governo brasileiro e as autoridades locais estão apostando todas as fichas na refundação do Rio. Para isso ainda terão que redobrar a aposta em temas chave, como as deficientes redes de transporte urbano (a ampliação da linha 4 de metrô até Barra de Tijuca ou a criação de corredores rápidos de ônibus representam uma boa tentativa) ou o déficit crônico de vagas em hotéis (hoje o Rio oferece pouco mais de 34.000 leitos). O manual básico de economia diz que quando a oferta é menor que a demanda, os preços aumentam. E é justamente isto ocorre no primeiro destino turístico do hemisfério Sul, que tem o privilégio de se consagrar como a segunda capital mais cara da América Latina para fazer turismo (atrás de Caracas), segundo o portal Tripadvisor. Se o Rio pretende se consolidar como uma capital turística que concorra em pé de igualdade com cidades como Paris, Roma, Madri ou Nova York, terá que tomar medidas drásticas para melhorar a qualidade e o preço de seus serviços.

Extraido de ElPaísBrasil

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: