Espanha privatiza o sol. Proibido gerar energia para autoconsumo

Fonte: Elpais.cr | 2013-07-21 Curitiba, 21 jul 2013

Inglês Espanhol Alemão

O sol foi privatizado na Espanha: se autoridades espanholas surpreenderem algum cidadão espanhol instalando placas de luz solar para consumo próprio poderão aplicar-lhe multa de até 30 milhões de euros.

representação da idéia

representação da idéia

Na Espanha, as companhias de eletricidade morrem de medo de uma desestabilização do consumo de energia elétrica. Cometer o sacrilégio de se tornar independente, energeticamente falando, pode custar muito caro. O sol agora é só para poucos privilegiados como ex-presidentes e ex-ministros, os quais são conselheiros oficiais destas empresas captadoras de luz solar. A União Espanhola Fotovoltaica (UNEF), que agrupa 300 empresas e representa 85% do setor, assegura que se alguém resolve implantar receptores de luz do sol isso sairia mais caro do que recorrer ao consumo convencional.

Porém, na Espanha, o sol foi privatizado sem a consulta aos seus cidadãos, ao sistema solar ou ao universo etcétera… A posibilidade de produzir tua própria eletricidade utilizando recursos renováveis — placas solares ou pequenos moinhos eólicos instalados en uma propiedade privada — é algo muito atrativo para os lares espanhóis. “De cada 50 chamadas telefônicas ao mês, 35 são de particulares interessados no auto-consumo”, assegura Francesc Mateu, gerente da Sol Gironés, empresa especializada en energia renovável e pioneira neste setor. O Governo espanhol se propôs implantar o auto-consumo energético pouco a pouco sem que se altere o sistema elétrico vigente. Para isso se reserva o direito de elevar e baixar as taxas, ou “pedágios” (pedágios?) específicos, que denominan “de respaldo”, conforme  o setor evoluir. “Nós vamos implantar um “pedágio” para a energia recebida do sol”, resume Mario Sorinas da empresa Electrobin, com mais de 20 anos de experiência em energia solar.

Leia também: Na Espanha, indústria tributará produção caseira de eletricidade com “pedágio”

A autarquia de energia é mais do que consolidada em países como os EUA ou o Japão. Muitos países europeus a têm implementado com diferentes fórmulas. “É o futuro”, dizem os especialistas em energia. Gerar sua própria eletricidade com energia renovável e dar uma pausa para o meio ambiente e o bolso. Há também a possibilidade de transferir o excesso de energia para utilitários e recuperá-lo quando necessário ou vender diretamente, o que é conhecido como o consumo de líquido equilibrado. Agora, na Espanha, você pode produzir energia privada e consumi-la na hora. A legislação mais recente é de 2011. Antes não era rentável. Houve uma redução de até 80% de energia fotovoltaica nos últimos cinco anos e o aumento das contas de energia elétrica tornaram-se uma opção de poupança muito interessante em tempos de crise. Quando não há sol ou vento, você tem que se envolver na rede e pagar a fatura normal.

Dom Gironés, por exemplo, com 14 funcionários, está se dando bem com o consumo instantâneo. “Ele está trabalhando bem, especialmente com frigoríficos de carne que dependem da armazenagem a frio, e no qual a conta de luz leva pelo menos 15% dos seus custos fixos anuais”, diz o gerente. Com estes novos sistemas se reduz entre 20% e 30% do consumo, e até agora, não se pagam impostos de qualquer espécie para este tipo de geração de energia. O Yacht Club Estartit, localizada em Pals (Girona), é um dos seus clientes. Eles elaboraram um plano de cinco anos para que 20% de seu consumo seja de energia renovável. Atualmente, painéis solares geram 7%. “Estamos muito perto de um parque natural com um grande impacto sobre o meio ambiente”, diz Eugeni Figa, o seu diretor. Seus planos também incluem moinhos de vento.

Na Galiza, os irmãos Dominguez detêm a liderança de energias renováveis ​​desde 1998. “Nós éramos quatro maltrapilhos”, diz Manuel. Em 2007, eles fizeram os seus próprios escritórios para o fornecimento com um painel solar. Embora o consumo tenha projetos na Espanha, a maior parte do seu mercado está fora do país, em grandes parques do Chile, México, Romênia e Inglaterra. A reforma energética se aqueceu enormemente em energias renováveis. “De todos os cenários possíveis, este é o pior”, fala José Donoso, presidente da Fotovoltaica União Espanhola (UNEF), que representa 85% da atividade do setor. “Mas ainda nada específico foi aprovado para o consumo”, acrescenta ele. Donoso refere-se ao aumento da parcela fixa da conta de energia elétrica, e representará um aumento de 77% nesta seção para obter uma taxa, algo interno que os produtores nacionais não podem prescindir, e uma queda de 23% no consumo, o que reduz a auto-produção.

Com as mudanças conhecidas até agora, o tempo de retorno da energia fotovoltaica cresce consideravelmente. Se antes da reforma era necessário 12 anos para recuperar o investimento em uma instalação residencial de 2,4 quilowatts de potência agora vai exigir 23, de acordo com estimativas da UNEF. No entanto, há sempre alguém que já trabalha olhando e percebendo tudo ao redor. Sun Gironés garante que seus clientes estão reduzindo o contrato de energia, que registrou maior aumento na conta, porque o consumo instantâneo permite que eles tenham suas necessidades energéticas cobertas. Outro de seus objetivos é fazer o consumo interno rentável.

compartilhar no facebook

About these ads

64 comentários sobre “Espanha privatiza o sol. Proibido gerar energia para autoconsumo

  1. Pingback: Espanha privatiza o sol. Proibido gerar energia para autoconsumo « Entulho

  2. Pingback: Espanha privatiza o sol: "Proibido gerar energia para autoconsumo" | A Verdade Sobre

  3. …desculpem pela simplicidade do meu comentário, mas aqui no Brasil, já tem gente mais esperta que na Espanha! Lá eles “proíbem a captação”, aqui ninguém fala nada, mas colocam taxas, impostos e outros agregados econômicos simplesmente “proibitivos”. Na teoria, são coisas muito diferentes, mas no fim das contas, dá na mesma, embora que no “modelo brasileiro de proibição”, nós não percebamos nada, pois já vivemos a tanto tempo com impostos surreais que certas coisas simplesmente deixam de existir entre o universo de coisas possíveis na vida de uma pessoa.

    Curtir

    • Patético é você seu animal, que tecnologia de energia renovável desenvolveu seu país? Brasil tem hidrelétrica e ainda assim umas das tarifas mais caras do mundo atrasado e patético é o Brasil

      Curtir

      • A questão nem é essa, mas está tudo doido ou quê? O sol é de todos e a energia que provém dele também. Era só o que faltava termos de pagar uma multa por usufruir de um bem que já existe muito antes da nossa própria existência.

        Curtido por 1 pessoa

  4. No Brasil, em exemplo especial o das favelas do rio de janeiro, as quais difundiram-se na mídia por uma iinfinidade de problemas sociais, os rabichos ligados à rede elétrica para furtar energia são um grande problema da perda (para a empresa de energia) do produto não monetizado. Já imaginou uma imensa favela com “gatos” compostos por placas solares?

    Curtir

  5. Pensei que isso fosse uma piada de mal gosto. Nesse caso, tanto o governo, quanto os captalistas são o inimigo, por isso anarquia já, vão fazer o que com os paineis, vão entrar na sua casa e quebrar? vão dar multa de 30 milhoes de euros, que quase ninguem pode pagar por isso?
    Isso é infuriante, já é motivo suficiente para queimar onibus na rua. Vai se fuder pagar para usr a energia solar.
    Não sei como se conformaram com isso.

    Curtir

  6. Pingback: Espanha privatiza o solSalvador das Missões | Salvador das Missões

  7. Me parece que o sol não foi privatizado, muito pelo contrário foi estatizado via taxas/impostos criados pelo governo espanhol para proteger um grupelho de empresas estatais elétricas ineficientes e um cartelzinho de empresas de energia elétrica privadas.

    Curtir

  8. Pingback: Homem é condenado à prisão por coletar água da chuva em Oregon, EUA. | <<<

    • Tecnicamente, é mesmo uma estatização, mas a finalidade da mesma é fazer concessões a empresas específicas que utilizarão energia solar, pois o Estado não vai realizar este serviço.

      Na prática, é privatização.

      Curtir

  9. Que eu posso dizer de uma bizarrice destas, somente um idiota é capaz de fazer uma coisa destas, e bobo será os Espanhóis que deixarem isto ir a frente………….políticos que voceis pensam que são?

    Curtir

  10. Acho que a certas pessoas que deviam tirar umas ferias porque o sol ja esta a queimar os neuronios as pessoas que tiveram a brilhante ideia de privatizar o sol…o sol é de todos e nao pertence a ninguem nos em quanto seres humanos precisamos do sol…..eles que vao dar uma curva

    Curtir

  11. Artículo puramente demagógico e tendenciosso á medida dos interesses do lobby fotovoltaico. Precissamente publicado no jornal mais controlado por esse lobby. Onde se viu que se possa amortizar um investimento que produz energía 4 ou 5 veces acima do custo de mercado em só 12 anos???? As políticas do títere Zapatero de apoio ao lobby fotovoltaico estao saíndo muito caras aos espanhois, engrossando as contas de especuladores apoiados por decretos a medida, e incrementanto de um jeito absurdo o déficit do estado…..

    Curtir

  12. Privatiza??? Por acaso a luz do sol agora vai ter que ser paga pra chegar as casas espanholas? NÃO

    Então meus caros amigos, isto se trata de ESTATIZAÇÃO. Pois PROIBE as pessoas de acessárem a capacidade energética do sol.

    MAIS UM ABSURDO CONTADO AOS OLHOS COMUNISTAS TENTANDO DENEGRIR AS MARAVILHAS DA PRIVATIZAÇÃO.

    Curtir

  13. Que merda. E ainda chove ancap aqui pra defender “privatização” e meter pau na “estatização” (ou socialistas autoritários defender o contrário, igualmente idiota). A diferença entre privatização e estatização é que um é uma bosta e outro uma merda (não necessariamente enssa ordem).

    http://anarchism.pageabode.com/afaq/secB3.html

    Propriedade privada é roubo, não interessa os nomes dos idiotas que são seus donos.

    Curtir

  14. Achei a matéria meio alarmista e até certo ponto, tendenciosa…
    Bem, primeiro que não é que o Sol esteja sendo “privatizado”, afinal, não se pode “privatizar” ou “estatizar” o Sol, pois, nenhum ser humano ou nenhuma instituição é dono ou dona do Sol – este é uma estrela do Sistema Solar, e não foi criado ou formado por nenhum ser humano ou instituição, e não pode ser comprado ou adquirido por nenhum desses; quando “chegamos” a esse mundo e nos “entendemos por gente”, ele já estava aí, e a sua luz, calor e demais benefícios trazidos por ele, são para todos! Conseguintemente, desde então, torna-se inválida, ilegítima e impraticável uma “privatização” ou “estatização” do Sol. A única forma de isso acontecer, no meu entendimento, seria se O Deus Criador desse esse poder para alguém ou para alguma instituição; fora isso, não vejo como.
    Ou seja, nesse caso, no máximo, o governo poderia privatizar ou estatizar o uso das placas captadoras de energia solar ou de suas funções (o que já seria passível de questionamentos), pois essas foram coisas feitas e comercializadas por seres humanos e instituições.
    Segundo que o próprio texto da matéria acima diz:
    “O Governo espanhol se propôs implantar o auto-consumo energético pouco a pouco sem que se altere o sistema elétrico vigente.”
    Ou seja, pelo que eu entendi, parece que o referido governo pretende é fazer co-existirem os dois modelos de consumo elétrico: o auto-consumo e o convencional, vindo das companhias elétricas.
    Agora eu discordo dessa multa gigantesca, que a matéria diz que o referido governo irá aplicar, naqueles que resolverem utilizar as referidas placas – isso é um absurdo!

    Curtir

    • Bem, eu imagino que alguns socialistas/comunistas poderão dizer aqui que, segundo essa lógica que usei no meu comentário acima, também não poderia existir a propriedade privada. Mas me parece que a lógica ou entendimento no caso desta, é diferente; pois, a grosso modo, penso que o que se privatiza nesse caso, não é o solo ou a terra, em sentido genérico; mas sim um espaço ou espaços específico(s), sobre o qual ou os quais a pessoa ou instituição irá construir a sua moradia ou um local para uma outra função ou utilidade. O que entendo como errado nesse caso, seria a privatização de espaços que não serão ocupados ou utilizados pelo dono, enquanto que, em paralelo a isso, muitas pessoas estariam sem ter a sua propriedade privada para, sequer, ter onde morar.
      Bem, tem bastante coisas para se falar sobre essa questão; se alguém quisesse contribuir, seria legal.

      Curtir

  15. não se esqueçam que o estado é o grande mediador do interesse privado da acumulação de capital. Sempre as estruturas de poder econômico tem o Estado a seu serviço para garantir a coesão social e ampliar o mecanismos de dominação e controle. Essa ideia de antagonismo entre a iniciativa privada e o setor público é apenas falta de conhecimento e análise política coerente, os políticos são apenas marionetes trabalhando em prol da institucionalização da acumulação e centralização de capital, o que representa a própria centralização do controle e de poder político através dessa relação e organização econômica (organização capitalista).

    Curtir

  16. Pingback: Espanha privatiza o sol. Proibido gerar energia para autoconsumo | florencio1

  17. Aos amigos que se dizem socialistas ou anticapitalistas, lembrem-se que o Estado espanhol está promovendo as taxações para não desestabilizar o consumo de base (estatal), que teoricamente seria mais viável economicamente e teriam menor impacto ambiental direto (porque a infraestrutura já existe) do que a implantação em massa de painéis fotovoltáicos. Lembrem-se de que o lobby das indústrias relacionadas à energia solar é enorme, pois esta tecnologia não é gratuita e tem uma manutenção onerosa. Ao que parece, essa medida protecionista do governo espanhol está muito mais para extrema esquerda do que para direita liberal, como o título faz parecer.

    Curtir

    • Está a falar desde muito longe, sem conhecimento, não pode afirmar que o lobby das energias renováveis é enorme, enorme em comparança a quê, ou a quem?
      Em comparança com o lobby das empresas energéticas maiores, muitas delas transnacionais sediadas em Madri?
      Duas das mais fortes empresas energéticas da Espanha, Endesa e Gas Natural-Fenosa, tem nas suas filas a dous ex-presidentes do governo, José María Aznar que foi do partido supostamente de direitas, e Felipe Gonzalez do partido supostamente de esquerdas.
      O lobby das renováveis: microempresas com três quatro operários, que colocam nos telhados de moradas particulares paneis?
      Outra coisa é que fale do lobby das renováveis do setor eólico, mas isso são empresas com relações direitas com as grandes fornecedoras eléctricas que apanham o vento das montanhas e vertem, vendem essa energia na rede; mesmo inclusive quando há excesso, essa energia é usada para retornar, elevar águas nas barragens.
      Aqui, na Espanha que moro, o que sim acontece é uma ânsia grande de poder e de lucro.

      Curtir

        • Pois esse jornal está também a falar desde longe do que aparentemente desconhece.
          Há fontes mais direitas e fiáveis.
          Pode você ler jornais espanhóis, jornais econômicos, falam mais direitamente da situação, e de quais são os lobbys para os que o governo trabalha, legisla.
          Se lhe interessar em profundidade o tema dos lobbys energéticos na Espanha recomendo-lhe visionar este documentário que lhe dará o ponto de vista do zé povinho, da gente do comum, e não a informação divulgada a maneira de propaganda, onde se confunde nos jornais os anúncios publicitários com os artigos rigorosos.

          Curtir

    • Se você tivesse o minimo de consciência saberia que o causador desse problema citado a cima é a presença de um estado grande, eles não privatizaram e sim estatizaram, o governo diz quem pode extrair a energia.

      Curtir

      • Meu amigo, quem você acha que ganha com essa “estatização”? Isso ai é só uma privatização disfarçada, imagina se não tivesse governo, as empresas estão nem ai pra sustentabilidade ou para as pessoas, essa ação do governo da Espanha mais parece a de um governo comunista, só que pior, em vez de ser pro povo, é só pra empresas, isso ai é o capitalismo, empresas manipulando o governo em prol de mais lucros.

        Curtir

      • O causador desse problema não é o governo da Espanha, o que eles ganham com isso? Mas agora o que as empresas de energia ganham, tudo, e a população, nada. o Grande causador disso são políticos corruptos, de deixam passar uma lei desse e empresas ordinárias de subornam políticos.

        Curtir

      • O EL PAÍS também está errado. Se o Governo avoca o direito de dizer que apenas alguns entes podem explorar, não é privatização é estatização seguida de concessão. Faz toda a diferença quando a intenção é tornar determinado termo amaldiçoado. Orwel ensina. A energia solar era privada quando explorada por quem a captasse, agora foi estatizada e só pode quem o governo deixar.

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s